Autofagia

O que é autofagia?

A autofagia é um processo feito por todas as células para eliminar toxinas responsáveis pelo seu envelhecimento. Promove a reciclagem celular e dá a elas novos nutrientes. Por isso, desacelera o processo de envelhecimento das células.

O processo de autofagia é fundamental para que as células vivam mais e pode acontecer quando a célula tem pouco oxigênio ou pouco alimento. Também pode ocorrer para eliminar organelas celulares defeituosas.

A palavra pode ser traduzida pela expressão "comer a si mesmo" e deriva da união de dois termos gregos auto (eu) e fagia (comer).

Foi usada pela primeira vez em 1963 pelo bioquímico belga Christian de Duve (1917-2013) para descrever o processo de renovação celular. O bioquímico recebeu o Prêmio Nobel de Medicina em 1974 por ter mapeado a função dos lisossomos, que participam da autofagia.

Como acontece a autofagia?

O processo de autofagia celular ocorre com a ação dos lisossomos (organelas responsáveis pela digestão celular), que ajudam as células a degradar e digerir partes do citoplasma.

Os lisossomos aproximam-se da célula e a envolvem, formando o vacúolo autofágico (ou autofagossomo), uma bolsa membranosa rica em enzimas.

A seguir, o vacúolo autofágico se une aos lisossomos, formando o autofagolissomo (ou autolisossomo) para finalizar o processo de digestão celular. Ou seja, são os lisossomos que fazem com que a célula consiga digerir partes de si mesma.

Eventualmente os lisossomos podem sofrer uma ruptura, que despeja enzimas da digestão diretamente no citoplasma, causando a morte da célula. É um processo de autodestruição celular, chamado de autólise.

A autólise positiva (ou apoptose) também é um processo de morte celular, mas é uma morte programada. Acontece quando as células precisam dar lugar a outras mais saudáveis.

O organismo faz a apoptose para evitar que células pouco saudáveis causem danos (como a maior propensão ao desenvolvimento de doenças) ou para garantir a evolução de espécies.

Qual a relação entre jejum e autofagia?

Existem estudos científicos para identificar a relação entre o jejum e a autofagia, para compreender como acontece a renovação celular após a realização de um jejum controlado.

Essas pesquisas indicam que o jejum poderia ativar o processo de autofagia, aumentando a vida saudável das células e diminuindo a possibilidade do desenvolvimento de algumas doenças.

Mas, embora os estudos sugiram que o jejum pode melhorar a saúde do organismo, a hipótese ainda não foi bem esclarecida, já que os experimentos realizados até agora foram feitos somente com camundongos.

Veja mais sobre o significado de jejum.

A autofagia no tratamento do câncer

Nos últimos anos, a autofagia vem sendo estudada como uma possibilidade de tratamento contra o câncer.

Pesquisadores têm desenvolvido pesquisas que consideram a autofagia como auxiliar na diminuição de alguns tipos de tumores em estágios iniciais, atuando na destruição de células cancerígenas.

Em 2016, o biólogo japonês Yoshinori Ohsumi recebeu o prêmio Nobel por sua pesquisa sobre autofagia. Apesar de ser conhecido desde a década de 1960, o processo de autofagia ainda não é totalmente conhecido e o biólogo conseguiu identificar alguns dos genes envolvidos.

A descoberta é considerada fundamental para a compreensão do mecanismo total desse processo celular e poderá, no futuro, auxiliar no tratamento de doenças como o câncer.

Data de atualização: 21/04/2020.