Diferença entre lato sensu e stricto sensu

Lato sensu e stricto sensu são expressões latinas que significam, respectivamente, “em sentido amplo” e “em sentido estrito”.

As expressões lato sensu e stricto sensu são utilizadas para determinar o sentido ou interpretação que deve ser aplicada a um conceito ou ideia. Ambas as expressões são muito utilizadas nas áreas do direito, biologia, linguística, semiótica, etc, além de serem usadas em outros idiomas.

Uma ideia em lato sensu deve ser interpretada em sua acepção mais abrangente, enquanto outra em stricto sensu deve ser analisada no sentido mais específico.

Exemplo:

No Direito, a expressão “direitos coletivos” pode ser interpretada em sentindo amplo e em sentido estrito. Em lato sensu, direitos coletivos englobam:

  • os direitos difusos;
  • os direitos individuais homogêneos;
  • os direitos coletivos stricto sensu (direitos dos grupos, categorias ou classes).

Nota-se, portanto, que “direitos coletivos” denomina tanto um grupo de direitos quanto um componente deste. Dessa forma, dependendo do contexto, surge a necessidade de especificar, através das expressões lato sensu e stricto sensu, qual sentido deve ser adotado.

Cursos lato sensu e stricto sensu

No Brasil, o Ministério da Educação – MEC, adotou as expressões lato sensu e stricto sensu para diferenciar cursos de pós-graduação.

Pós-graduação lato sensu

Segundo o MEC, as pós-graduações lato sensu englobam:

Cursos de especialização: cursos de aperfeiçoamento ou atualização em áreas específicas, similares às graduações. Requerem diploma de ensino superior. Geralmente exigem apresentação de monografia e pelo 75% de frequência em aulas para a aprovação.

Cursos de MBA (Master Business Administration): especialização na área de administração. As aulas envolvem problemas práticos do dia a dia da área. Não requer diploma de ensino superior mas é voltado para indivíduos com experiências de mercado, principalmente em cargos de gerência ou direção.

Tanto as especializações quanto os cursos de MBA devem ter, no mínimo 360 horas de duração e concedem certificados de conclusão (não diploma) ao final. O indivíduo que concluir qualquer um dos cursos é considerado especialista.

Pós-graduação stricto sensu

Segundo o MEC, as pós-graduações stricto sensu englobam:

Mestrados: programas de aprofundamento em uma área da graduação. São direcionados para a formação de professores e pesquisadores, por isso as aulas são muito teóricas. Exigem apresentação de um trabalho de conclusão de curso.

Doutorados: programas mais aprofundados que mestrados. Também são direcionados para a formação de professores e pesquisadores, logo, são muito teóricos. Exigem a apresentação de um trabalho de conclusão de curso que contribua para o avanço do conhecimento na área através de uma perspectiva inédita.

Tanto os mestrados quanto os doutorados requerem processo seletivo para ingressos nos cursos. Ambos duram, em média, de dois a cinco anos e concedem diplomas ao final. O indivíduo que concluir os programas é considerado mestre ou doutor.

Veja também:

Data de atualização: 03/10/2019.