Falha de San Andreas

O que é a falha de San Andreas?

A falha de San Andreas é uma falha geológica que cruza o estado da Califórnia nos Estados Unidos e marca o limite entre as duas maiores placas tectônicas do planeta: a placa do Pacífico e a placa Norte-Americana.

Essa é uma das áreas de maior instabilidade tectônica do mundo, com frequentes atividades sísmicas: são cerca de 10.000 terremotos na região todos os anos, grande parte deles imperceptível.

Foi na falha de San Andreas que se originou o Sismo de São Francisco, em 1906. Esse terremoto atingiu a marca de 7,8 na escala Richter e destruiu boa parte da cidade de São Francisco, deixando mais de 3 mil mortos e 225 mil desabrigados.

Especialistas alertam para a possibilidade de ocorrência de um novo terremoto devastador, popularmente conhecido como “The big one, “O grande” em inglês.

Esse terremoto poderia alcançar a magnitude de 7,8 a 8,0 graus na escala Richter e atingir Los Angeles, a segunda cidade mais populosa do país. As pesquisas indicam que esse abalo sísmico poderia causar cerca de 2.000 mortes.

Falha de San AndreasImagem aérea da falha de San Andreas.

Terremotos na falha de San Andreas

Os terremotos são causados por atividades geológicas, sobretudo, pelo encontro de placas tectônicas. As placas tectônicas compõe a crosta rochosa da superfície da Terra, chamada litosfera.

Essa camada rochosa não é íntegra, ela é formada por várias placas que se racharam e estão em atrito. O atrito entre essas placas provoca os terremotos, a formação de montanhas, os tsunamis e as atividades vulcânicas.

Na falha de San Andreas, o limite entre as placas do Pacífico e a Norte-Americana é do tipo transformante ou conservativo. Isso significa que a movimentação das placas acontece na horizontal, como um deslizamento.

Entenda mais sobre ao movimento das placas tectônicas.

Limite transformanteRepresentação gráfica de um limite transformante entre placas tectônicas.

Segundo as pesquisas geológicas, nos últimos 20 milhões de anos, a placa do Pacífico se moveu 560 quilômetros. Em mais alguns milhões de anos, acredita-se ser possível a divisão do território da Califórnia em duas partes.

Esse encontro de placas faz da Califórnia um dos lugares mais suscetíveis à abalos sísmicos do mundo. Atualmente, o maior temor é a ocorrência de um terremoto na parte sul da falha.

Os registros geológicos mostram que a cada 150 anos acontece um abalo sísmico de grande intensidade, mas há cerca de 300 anos não acontece um grande terremoto nessa área.

Isso significa que a energia está se acumulando e que quanto maior a tensão acumulada, maior será o terremoto. Segundo os especialistas, esse grande terremoto acontecerá com certeza, só não se sabe quando.

Prever quando o “The big one” irá acontecer com precisão é difícil, o que aumenta ainda mais o temor e a insegurança dos habitantes da região.

Esse terremoto poderia durar cerca de 1 minuto segundo os especialistas.Esse tempo seria suficiente para destruir estruturas e causar incêndios devido à falhas elétricas, deixando milhares de mortos, feridos e desabrigados.

As autoridades da Califórnia recomendaram que os edifícios e construções fossem reforçados e um sistema de alerta via aplicativo foi desenvolvido para avisar a população caso o terremoto se aproxime.

Esse sistema pode alertar a ocorrência de um terremoto com até 40 segundos de antecedência. Apesar de pouco, esse tempo pode ser suficiente para a evacuação de edifícios e para que as pessoas se desloquem para um local mais seguro.

Entenda mais sobre os terremotos e sobre a litosfera.

Últimos terriemotos na falha de San Andreas:

  • 1700: ano em que aconteceu o último grande terremoto na parte sul da falha. Não há registros desse abalo, mas estima-se que ele pode ter atingido entre 8,7 e 9,2 graus de magnitude.
  • 1857: atingiu a parte sul da falha de San Andreas e teve 7,9 graus de magnitude, deixando duas pessoas mortas.
  • 1906: o mais violento terremoto que se tem registro na região, com magnitude estimada de 8,0. Aconteceu na parte central da falha de San Andreas, destruiu grande parte da cidade de São Francisco e deixou mais de 3 mil pessoas mortas.
  • 1989: atingiu a área da Baía de São Francisco e teve magnitude média de 6,9 graus, deixando 63 mortos e mais de 3 mil feridos.
  • 1994: também chamado de terremoto de Northridge, durou cerca de 10 segundos e alcançou 6,7 graus de magnitude, deixando 57 mortos e mais de 8 mil feridos.
  • 2019: atingiu o sul da Califórnia, com magnitude de 7,1. Causou danos a edifícios e incêndios, mas não houve nenhum registro de morte.

Veja também o significado de sismologia.

Data de atualização: 05/02/2020.