Significado de Inconfidência

O que é Inconfidência:

Inconfidência significa a falta de fidelidade ou lealdade para com alguém, principalmente com o Estado ou com um representante de uma soberania.

Uma pessoa inconfidente, ou seja, que esteja envolvida em uma ação ou movimento de inconfidência é considerada uma traidora e desleal, pois revela um segredo que lhe foi confiado, por exemplo.

Seguindo o sentido etimológico da palavra, os membros da inconfidência podem também ser hereges aos olhos da Igreja, pois são consideradas pessoas sem fé.

Alguns movimentos classificados como inconfidentes foram registrados no Brasil, sendo os principais a Inconfidência Mineira e Baiana.

No entanto, existem várias divergências entre os historiadores sobre o uso adequado a palavra "inconfidência" nesses movimentos.

Inconfidência mineira

A Inconfidência Mineira (ou Conjuração Mineira) é o nome dado para um movimento de oposição ao domínio da Coroa Portuguesa na época do Brasil Colônia, em 1789.

O estopim para esta revolta teria sido a implantação de medidas de cobrança de impostos abusivas por parte da Coroa Portuguesa durante a crise no ciclo do ouro, como por exemplo a "derrama".

A "Derrama" consistia em um outro tipo de imposto, em que cada região de exploração deveria entregar para a metrópole portuguesa cerca de 1.500 quilos de ouro por ano. Caso não alcançassem este objetivo mínimo, soldados da Coroa portuguesa invadiam todas as casas daquela comunidade e recolhiam os bens das famílias até cumprir o valor devido.

Revoltados com estas medidas abusivas, famílias burguesas e membros da elite brasileira, como intelectuais, fazendeiros e donos de minas, baseados nos ideais do Iluminismo, reuniam-se para articular ideias que pudessem garantir uma solução para este problema: a independência do Brasil.

Saiba mais sobre o significado de Iluminismo.

O principal representante do movimento de revolta de foi a Inconfidência Mineira foi o alferes Joaquim José da Silva Xavier, conhecido por Tiradentes. Entre outros nomes de destaque que pertenciam ao grupo estavam os poetas Tomas Antônio Gonzaga e Claudio Manuel da Costa.

Tiradentes foi enforcado e esquartejado, tendo os pedaços de seu corpo espalhados por vários cantos de Minas Gerais, servido de lição para que a Inconfidência Mineira não ganhasse mais força. Com este episódio, chegava ao fim o movimento prol independência no estado mineiro.

A nomenclatura mais aceita para este movimento, no entanto, seria Conjuração Mineira. Diferente do sentido de inconfidência, que significa "infidelidade" ou "deslealdade", a conjuração quer diz "conspiração contra o Estado".

Do ponto de vista dos brasileiros que desejavam a independência, o movimento não se tratava de uma deslealdade à Coroa Portuguesa, mas sim numa revolta e conspiração contra o Estado lusitano.

Inconfidência baiana

A Inconfidência Baiana, conhecida também por Conjuração Baiana ou Revolta dos Alfaiates, foi um movimento de revolta popular que ocorreu na Bahia, em 1798.

O principal objetivo da Conjuração Baiana era garantir a emancipação do Brasil perante a Coroa Portuguesa, além de mudanças sociais e políticas na estrutura da sociedade da época.

A população reivindicava por melhores preços e acesso aos alimentos básicos, além de segurança e melhores condições salariais e de impostos.

Assim como aconteceu na Inconfidência Mineira, os baianos eram guiados pelos mesmos ideais de igualdade, liberdade e fraternidade que eram ensinados pelo Iluminismo na Revolução Francesa.

Os principais representantes deste movimento eram os alfaiates Manuel Faustino dos Santos e João de Deus Nascimento, que foram condenados a forca e tiveram os seus corpos esquartejados.

Data de atualização: 08/04/2015.