Significado de Kyoto

O que é Kyoto:

Kyoto ou Quioto é uma cidade localizada no sul do Japão, conhecida internacionalmente por ter sediado a “Conferência de Kyoto”, famosa pela adoção inédita do “Protocolo de Quioto”, que põe limites às emissões de gases poluentes na atmosfera.

Kyoto foi a “Capital Imperial do Japão” até o ano de 1868, quando foi substituída por Tóquio. É uma das cidades mais populosas do Japão, conhecida como “Cidade dos Samurais” e “Velha Capital”.

A cidade de Kyoto tem um dos maiores centros de ensino superior do Japão, com cerca de trinta e sete instituições, entre elas, a Universidade de Kyoto, uma das melhores do país.

Protocolo de Quioto

O “Protocolo de Kyoto” é um tratado internacional assinado em dezembro de 1997, durante a Conferência de Kyoto, a respeito das mudanças climáticas do mundo.

Durante a Conferência de Kyoto, trinta e nove dos países participantes, principalmente os desenvolvidos do norte, firmaram o compromisso de reduzir a emissão de gases poluentes. A meta de redução mundial de emissões de CO2 e de outros gases do efeito estufa foi estabelecida em 2,5% durante o período de 2008 a 2012, em comparação aos níveis de 1990, porém o Protocolo de Kyoto só entrou em vigor em fevereiro de 2005.

Países em desenvolvimento não tiveram de se comprometer com metas específicas, mas, como signatários do Protocolo, precisavam manter a ONU informada sobre seu nível de emissão, e buscar meios de para reduzir as mudanças climáticas.

Foi introduzido no protocolo o comércio de emissões, ou seja, os países pobres que desenvolverem projetos (Unidades de Redução de Emissões ou URES) para reduzir suas cotas de emissão de carbono podem repassar o saldo aos países ricos para compensar as emissões excedentes e não alterem seu setor energético. Portanto, a partir de 2000, os países ricos passaram a receber o RCE (Redução Certificadas de Emissão), por conta das reduções realizadas pelos países pobres.

Os Estados Unidos nunca ratificaram o Protocolo de Kyoto. Junto com o Canadá e a Austrália, possuem uma matriz energética dependente da queima de combustível fóssil e alegam que a transição para a economia de baixo carbono poderá gerar prejuízos irremediáveis para o planeta.

A União Europeia apoia a inclusão de metas para que os países adotem ações para controlar a perda de biodiversidade, a degradação dos oceanos e dos solos e as emissões de gases.

Data de atualização: 07/11/2014.