Significado da Seleção natural

O que é a Seleção natural:

Seleção natural faz parte do processo de evolução dos seres vivos, fazendo com que estes sejam capazes de se adaptar aos ambientes onde habitam. Inicialmente, este mecanismo foi proposto pelo naturalista britânico Charles Darwin (1809 – 1882).

A seleção natural compõe a Teoria da Evolução das Espécies, também conhecida por Darwinismo ou Evolucionismo, juntamente com os processos de mutação, migração e deriva genética.

Saiba mais sobre o significado de Darwinismo, Evolucionismo e Evolucionismo social.

Para que haja o processo de seleção natural em determinado ambiente, são necessários três principais aspectos: variedade de espécies, reprodução diferenciada e hereditariedade.

O princípio da teoria proposta por Darwin diz que apenas os fatores “positivos” permanecem nas espécies, sendo eliminadas todas as características desnecessárias ou que dificultam a sua sobrevivência.

Por exemplo, em um ambiente específico, apenas as espécies que possuem as condições ideais de sobrevivência conseguirão se reproduzir e transmitir para os seus descendentes as mesmas características genéticas e fenotípicas que garantam a perpetuação da espécie naquela região.

No entanto, as espécies que não possuem os fenótipos adequados para sobreviver neste ambiente, não conseguirão se reproduzir e morrerão, sendo lentamente extintas.

O conjunto de aspectos favoráveis de um organismo, a partir das transmissões de gerações para gerações, pode ocasionar o surgimento de uma nova espécie, que evoluiu para ser totalmente apta ao ambiente em que vive.

A seleção natural está presente sobre todas as populações de seres vivos, seja em ambientes estáveis ou constantes, atuando como um “estabilizador”, eliminando as espécies mais “fracas” e garantindo a sobrevivência dos organismos mais fortes e aptos em sobreviver.

Teorias de Darwin

De acordo com Darwin, a seleção natural é formada com base no conjunto de uma série de teorias que ocorrem simultaneamente com as outras.

A teoria da evolução sugere que todas as espécies de seres vivos estão sujeitas a evoluir, gradualmente e consoante as suas necessidades.

Darwin ainda diz que todos os organismos vivos têm a mesma origem (organismo simples) que, ao longo dos tempos, ao sofrer diversas evoluções, transformam-se em seres complexos e dividem-se em diferentes espécies.

Todo o processo de evolução dos seres vivos é lento e gradual, ou seja, novas espécies não surgem do dia para a noite, mas sim através de um longo processo de pequenas e sutis transformações.

E, segundo a teoria de Darwin, caso haja uma mudança repentina no ambiente de determinado ser vivo, este tem três hipóteses: sobreviver, se adaptar ou se extinguir.

Seleção natural e artificial

A seleção natural, como o nome sugere, consiste num processo natural, sem qualquer tipo de interferência humana, onde o meio ambiente é o responsável por escolher as espécies mais aptas a sobreviver em determinado habitat e deixar seus descendentes.

Já a seleção artificial é feita pelo ser humano, quando ele cruza características de espécies em laboratório de acordo com o seu interesse.

Árvores que produzem frutos maiores e sem sementes ou animais que fornecem mais carne são alguns exemplos de alterações que os seres humanos podem fazer ao misturar genes específicos de várias espécies diferentes, com a intenção de criar um novo tipo que atenda as suas necessidades ou desejos.

Pelo fato dessas novas espécies serem criadas para atender necessidades específicas humanas, geralmente, não estão habilitadas a sobreviver ou se adaptar ao meio ambiente.

Data de atualização: 22/03/2018.