Significado de Comunismo

Compartilhar no Facebook

O que é Comunismo:

Comunismo é uma doutrina social, segundo a qual se pode e deve "restabelecer" o que se chama "estado natural", em que todos teriam o mesmo direito a tudo, mediante a abolição da propriedade privada. Nos séculos XIX e XX, o termo foi usado para qualificar um movimento político.

Esta palavra tem origem no latim comunis, que significa comum.

O comunismo procurou uma fundamentação teórica nas teorias do estado dos sofistas gregos e na obra "República" de Platão. No entanto, o comunismo encontrou bem cedo críticos severos, como Aristóteles.

O comunitarismo cristão da Igreja Primitiva (descrita no livro de Atos dos Apóstolos da Bíblia), é por vezes comparada como uma forma de comunismo, por apresentar alguns dos mesmos princípios, como o desinteresse pelos bens materiais e um amor generalizado pelo próximo.

O comunismo continuou a se fazer sentir em muitos movimentos sectários depois disso, como é o caso de Thomas Münzer e dos anabatistas, em seitas puritanas da América do Norte nos séculos XVII e XVIII e outras, mas com a suposição de que o "amor ao próximo" resultaria de uma regulamentação pública, o que era exatamente o contrário do pensamento cristão. A doutrina comunista começou a se inspirar sobretudo numa filosofia tutelar do estado. Por esse motivo reapareceu nas utopias políticas dos séculos XVI e XVII.

A grande reanimação do comunismo ou do socialismo (termos utilizados nos primeiros momentos de forma indistinta como sinônimos), no princípio do século XIX, está relacionada com a Revolução Industrial. Os abusos do capitalismo e do liberalismo econômico, cometidos pela tremenda transformação da economia e da indústria, provocaram um movimento crítico que, em muitos casos, vem a se relacionar com as ideias comunistas.

O comunismo moderno se exprime primeiramente a nível de doutrina através do marxismo, depois no marxismo-leninismo e, em parte, também no maoísmo marxista e é fundamentalmente uma doutrina destinada à igualdade compulsiva da maioria.

De acordo com K. Marx e F. Engels (no Manifesto do Partido Comunista de 1848), o comunismo do século XX considera a história, desde a Antiguidade, como a sucessão de lutas entre as classes trabalhadoras e sem posses, e as classes exploradoras, que não trabalham ou trabalham pouco, mas que dispõem dos meios materiais de produção.

O comunismo afirma que as condições de vida (principalmente as econômicas) do homem determinam a sua consciência e considera que o desenvolvimento da capacidade de produção graças à técnica e também à ciência desencadeiam uma evolução dialética onde a sociedade esclavagista deveria dar lugar à sociedade feudal, depois à sociedade burguesa e finalmente à sociedade socialista.

Segundo esta doutrina, o último ponto culminante da luta de classes é a luta da classe proletária contra a burguesia. Esta luta levará ao fim da sociedade burguesa, ao desaparecimento das classes e à sua substituição por uma sociedade socialista ou comunista. Esta luta seria a nível internacional, visto que a burguesia também se organizou a nível internacional, os laços da classe são mais importantes do que as realidades nacionais, e nesses termos a classe operária de um país tem mais responsabilidade para com a classe operária de outro país do que para com os seus próprios nacionais.

O que caracteriza o comunismo são os raciocínios gerais e as argumentações pela consequência, pelo que muitas vezes as suas deduções são falsas. Assim, o fato real da crescente concentração do capital não eliminou a relevante dinâmica das pequenas empresas e a importância do sistema de produção não trouxe a importância dos seus agentes, mas sim o papel crescente do setor ligado ao mercado. Por sua vez, a dinâmica social ligada às concepções comunistas não se revelou exata, pelo contrário, se tornou claro que é um erro considerar que as nações mais desenvolvidas industrialmente seriam as primeiras a conduzir a uma revolução socialista. Também é errônea a hipótese de que em toda a parte seriam os operários industriais a força motora do movimento revolucionário.

Numa certa altura, o comunismo passou a ser reivindicado pelos partidos comunistas, que revelaram grande combatividade em revoluções na Alemanha, Áustria e Hungria, em 1918. Entre 1917 e 1921 foram fundados quase todos os partidos comunistas que posteriormente vieram a ser importantes: o alemão (no final de 1918 e princípio de 1919), o partido comunista de França e Indonésia (1920), e em 1921 o italiano e chinês.

Atualmente não existe no mundo comunista a mesma centralização que havia nos anos 30 e 40. De igual forma, os partidos comunistas já não são em toda a parte a força política mais revolucionária.

Comunismo no Brasil

O Partido Comunista do Brasil, fundado no Rio de Janeiro em Março de 1922, foi de grande importância para o Brasil, pois dele surgiram vários partidos que potenciaram a política brasileira. No seu princípio e mais ou menos até 1935, o Partido Comunista teve que lutar contra o anarquismo pela liderança sindical.

Durante muito tempo o Partido Comunista foi proibido de funcionar e por isso teve que funcionar de forma clandestina. Por esse motivo, o Bloco Operário Camponês foi criado, com o objetivo de participar nas eleições.

O significado de Comunismo está na categoria: Geral