Os 7 pecados capitais

Os sete pecados capitais são, segundo a doutrina católica, os principais erros ou vícios que dão origem às diversas ações pecaminosas cometidas pelas pessoas. Em outras palavras, pode-se dizer que são a raiz dos pecados, os "líderes" das más ações e dos maus pensamentos. O termo "capital" tem origem na palavra latina caput, que significa "cabeça", "parte superior".

Os sete pecados são a soberba, a avareza, a inveja, a ira, a luxúria, a gula e a preguiça.

1. Soberba

A soberba pode ser definida como orgulho excessivo. É a tendência de se considerar melhor do que as outras pessoas. A soberba é o pecado da pessoa extremamente vaidosa, que pensa e age como se estivesse acima de tudo e de todos. O oposto da soberba é a humildade.

Para os católicos, a soberba é o principal pecado ou a raiz de todos os pecados, já que ela faz parte do pecado original, descrito no Gênesis.

Deus proibiu que Adão e Eva provassem do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. Mas o demônio, em forma de serpente, tentou os dois, dizendo que, se provassem do fruto, seriam semelhantes a Deus, conhecedores do bem e do mal. Querendo se tornar independentes do Senhor, Adão e Eva cometeram o pecado da desobediência e da soberba.

Uma das passagens bíblicas que faz referência ao pecado da soberba é esta:

O Senhor detesta os orgulhosos de coração. Sem dúvida serão punidos.
Provérbios 16:5

2. Avareza

A avareza, também chamada de ganância, é o apego excessivo aos bens materiais e ao dinheiro. A pessoa avarenta é mesquinha, isto é, não gosta de compartilhar o que tem e faz de tudo para ter sempre mais. A avareza é o oposto da generosidade.

Há muitas passagens na Bíblia que fazem alusão à avareza. Uma delas está na Primeira Epístola a Timóteo, redigida pelo Apóstolo Paulo:

Os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição, pois o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram com muitos sofrimentos.
1 Timóteo 6:9-10

3. Inveja

A inveja é a tristeza pelo bem de outra pessoa. O invejoso é aquele que se sente mal pelas conquistas alheias, incapaz de ficar feliz pelos outros, como se a vitória da outra pessoa representasse uma perda pessoal. O oposto da inveja é a caridade, o desapego e o altruísmo.

Há muitas passagens bíblicas sobre a inveja. Uma das mais importantes é aquela que narra o primeiro homicídio (Gênesis 4). No Antigo Testamento, lemos que Caim matou o próprio irmão porque Deus havia apreciado mais os sacrifícios feitos por Abel. Portanto, de acordo com a Bíblia, o vício por trás do primeiro homicídio é a inveja.

Em 1 Pedro 2:1, há uma advertência sobre a inveja:

Livrem-se, pois, de toda maldade e de todo engano, hipocrisia, inveja e toda espécie de maledicência.
1 Pedro 2:1

Outra menção a esse pecado pode ser encontrada em Gálatas 5:26:

Não sejamos presunçosos, provocando uns aos outros e tendo inveja uns dos outros.
Gálatas 5:26

4. Ira

Ira, raiva ou fúria é uma manifestação intensa de indignação que pode levar a agressões verbais ou físicas. O oposto da ira é a paciência.

Há muitas passagens bíblicas que abordam o vício da pessoa irritadiça, furiosa ou violenta. É o que se vê, por exemplo, neste versículo do Livro de Provérbios:

O homem irritável provoca dissensão,
mas quem é paciente acalma a discussão.
Provérbios 15:18

Em Salmos 37:8, há conselhos importantes para as pessoas raivosas:

Evite a ira e rejeite a fúria; não se irrite: isso só leva ao mal.
Salmos 37:8

5. Luxúria

A luxúria é o pecado associado aos desejos sexuais. Para os católicos, esse pecado tem a ver com o abuso do sexo ou a busca excessiva do prazer sexual. O oposto da luxúria é a castidade.

Das passagens bíblicas que tratam desse pecado, uma das mais incisivas é a que está em Gálatas 5:19:

Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem;
Gálatas 5:19

Em Colossenses 3:5-6, há outra referência:

Assim, façam morrer tudo o que pertence à natureza terrena de vocês: imoralidade sexual, impureza, paixão, desejos maus e a ganância, que é idolatria. É por causa dessas coisas que vem a ira de Deus sobre os que vivem na desobediência,
Colossenses 3:5-6

Leia mais sobre luxúria e concupiscência.

6. Gula

A gula é o pecado associado ao desejo de comer e beber de maneira exagerada, para além das necessidades. Esse pecado tem a ver com a perda de controle em relação ao próprio corpo. O oposto da gula é a moderação.

Na verdade, quase todos os pecados estão relacionados à falta de moderação. No caso da gula, trata-se do consumo em excesso de comida e bebida, ao qual se atribuem males físicos e espirituais, já que pode levar a outros pecados, como a preguiça. A gula é uma manifestação da busca da felicidade em coisas materiais.

Em Provérbios 23:20-21, há um conselho aos que querem se manter distantes da tentação da gula:

Não ande com os que se encharcam de vinho, nem com os que se empanturram de carne. Pois os bêbados e os glutões se empobrecerão, e a sonolência os vestirá de trapos.
Provérbios 23:20-21

7. Preguiça

A preguiça é a falta de vontade ou de interesse em atividades que exigem algum esforço, seja físico ou intelectual. Ela pode ser definida como a falta de ação, a ausência de ânimo para o trabalho e outras tarefas do dia a dia. O oposto da preguiça é o esforço, a força de vontade, a ação.

Para os adeptos do catolicismo, o pecado da preguiça tem a ver com a recusa voluntária ao dever do trabalho (da busca do pão de cada dia), mas também se relaciona com a falta de ânimo nas práticas de devoção e na busca da virtude.

Dentre as passagens bíblicas que falam sobre esse pecado, destacam-se as seguintes:

O preguiçoso deseja e nada tem, mas o desejo dos que se esforçam será atendido.
Provérbios 13:4

Observe a formiga, preguiçoso, reflita nos caminhos dela e seja sábio!
Provérbios 6:6

O preguiçoso morre de tanto desejar e de nunca pôr as mãos no trabalho.
Provérbios 21:25

Leia mais sobre a preguiça.

A origem dos pecados capitais

A origem dos sete pecados está numa lista escrita pelo monge cristão Evágrio Pôntico (345-399 d.C.) a fim de enumerar os principais maus pensamentos que atrapalham uma rotina de práticas religiosas. Em vez de sete, a lista era composta por oito pecados. Além dos atualmente conhecidos, havia a tristeza. Não havia a inveja, mas a vanglória (vaidade).

Mais tarde, a lista foi traduzida para o latim e reescrita pelo Papa Gregório I (540-604 d.C.). Ele excluiu a preguiça, adicionou a inveja e elegeu a soberba como o pecado principal.

No século XIII, o frei Tomás de Aquino (1225-1274) recuperou a lista, incluindo outra vez a preguiça no lugar da tristeza. Os sete pecados, tais como conhecemos hoje, remontam à lista de Tomás de Aquino.

Apesar de estarem relacionados à temática bíblica, os sete pecados capitais não são assim denominados nem listados na Bíblia. Foram criados posteriormente pela Igreja Católica.

Mas qual seria a explicação religiosa para a origem dos pecados na vida das pessoas? Em Marcos 7:21-23, há uma passagem que lança luz sobre essa questão:

Pois do interior do coração dos homens vêm os maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os roubos, os homicídios, os adultérios, as cobiças, as maldades, o engano, a devassidão, a inveja, a calúnia, a arrogância e a insensatez. Todos esses males vêm de dentro e tornam o homem impuro.
Marcos 7:21-23

Leia mais sobre a origem dos 7 pecados capitais.

Veja também: