Comensalismo

O que é comensalismo?

Comensalismo é uma relação ecológica entre organismos de diferentes espécies, na qual um dos organismos é beneficiado e o outro não é prejudicado.

No comensalismo, um dos organismos geralmente se alimenta dos restos do alimento de outro. A palavra comensalismo vem do termo em latim commensalis, que significa "dividir a mesa".

Exemplos de comensalismo

Rêmora e tubarão

A relação entre a rêmora e o tubarão é um caso clássico de comensalismo. A rêmora é um peixe que se fixa ao corpo dos tubarões com ventosas chamadas apreensórios.

A rêmora permanece presa ao tubarão e se alimenta dos restos de comida que saem da boca do animal. É uma relação harmoniosa, pois a rêmora obtém alimento e o tubarão não sofre qualquer prejuízo.

Tubarão remora
O peixe se alimenta dos restos de alimento que saem da boca do tubarão.

Hiena e leão

As hienas e leões também apresentam uma relação comensalista, pois os leões caçam e se alimentam de suas presas e o restante desse alimento é aproveitado pelas hienas.

Como os leões comem primeiro, eles não deixam de se alimentar e não são prejudicados pelas hienas. As hienas, por sua vez, se beneficiam, pois obtêm seu alimento sem gastar energia.

HienaAs hienas se alimentam dos restos de animais caçados pelos leões.

Urubu e ser humano

Os seres humanos são uma espécie que desperdiça grande quantidade de comida. Essa comida geralmente é depositada em lixões e os urubus costumam buscar alimentos nessas áreas.

Para os urubus, essa é uma forma fácil de obter alimentos e para o ser humano, é indiferente o fato de os urubus se alimentarem desse resto de comida.

UrubuO urubu come os restos de alimento depositados em lixões.

Ser humano e Entamoeba coli

O entamoeba coli, localizado no intestino dos seres humanos, é um protozoário do grupo das amebas que estabelece uma relação comensal com o homem.

Esses protozoários se alimentam dos restos da digestão humana e em condições normais não oferecem qualquer prejuízo aos indivíduos.

ComensalismoA imagem mostra o protozoário entamoeba coli, que se alimenta dos restos da digestão humana.

Árvores e planta epífitas

A relação ecológica estabelecida entre as árvores e flores como as bromélias e as orquídeas, pode ser considerada por alguns autores como um caso de comensalismo.

Essa classificação, no entanto, não é consensual. Nesse caso, a relação ecológica não tem como objetivo a alimentação e alguns autores defendem que somente as relações alimentares podem ser classificadas como comensais.

As plantas epífitas se fixam nas árvores para facilitar a incidência dos raios de sol sobre elas. As flores são beneficiada por obter abrigo e a árvore não é nem beneficiada, nem prejudicada.

BroméliaAs plantas epífitas se fixam nas árvores para obter abrigo e iluminação solar.

Os diferentes tipos de relações ecológicas

As relações ecológicas podem ser intraespecíficas ou interespecíficas e harmônicas ou desarmônicas:

  • Intraespecíficas: entre organismos da mesma espécie;
  • Interespecífica: entre organismos de espécies diferentes;
  • Desarmônica: um dos organismos é prejudicado;
  • Harmônica: um ou ambos organismos são beneficiados, e nenhum é prejudicado.

Alguns outros exemplos de relações ecológicas são:

  • Mutualismo: organismos de diferentes espécies se associam e ambos se beneficiam;
  • Inquilinismo: uma das espécies serve de abrigo para a outra, sem prejudicá-la;
  • Parasitismo: o organismo que é parasita retira os nutrientes do organismo de outra espécie;
  • Amensalismo: um dos organismos inibe o crescimento do outro, mas não obtém prejuízos ou benefícios;
  • Canibalismo: um dos indivíduos se alimenta de outro da mesma espécie;
  • Sociedade: organismos de mesma espécie colaboram entre si;
  • Competição: organismos que disputam recursos (alimento, território);
  • Predatismo: um organismo mata outro de espécie diferente para alimentar-se.

Saiba mais sobre o mutualismo.

Data de atualização: 15/04/2020.