Mutualismo

O que é mutualismo?

O mutualismo acontece quando organismos de duas espécies diferentes se relacionam de maneira que a associação seja benéfica para ambos.

Essa relação é chamada de interespecífica por acontecer entre espécies diferentes, e harmônica por ser positiva para ambos organismos.

Tipos de mutualismo

Mutualismo facultativo

O mutualismo facultativo acontece quando os organismos são capazes de viver independentemente, mas obtém alguns benefícios quando se associam.

O mutualismo também pode ser chamado de protocooperação, no entanto, essa nomenclatura está caindo em desuso.

Um exemplo de mutualismo facultativo acontece entre aves e mamíferos como cavalos, rinocerontes e búfalos. As aves se alimentam dos carrapatos na pele desses animais, livrando-os do incômodo que proporcionam.

Mutualismo

Mutualismo obrigatório

O mutualismo obrigatório, também chamado de simbiose, acontece quando a sobrevivência de um ou de ambos organismos depende da relação entre eles, isto é, pelo menos um deles não sobreviveria isoladamente.

Um exemplo de mutualismo obrigatório é a relação do cupim com protozoários. Os protozoários vivem no intestino do cupim e digerem a celulose que o cupim é incapaz de digerir.

Outro exemplo de mutualismo obrigatório são os líquens, associações de fungos com algas ou fungos com cianobactérias.

Nessa relação ecológica, as algas e cianobactérias fornecem para o fungo compostos orgânicos obtidos por meio da fotossíntese e os fungos evitam a desidratação e fornecem sais minerais para as algas e cianobactérias.

LíquenLíquens.

Os mutualismos ainda podem ser classificados de acordo com o tipo de relação que se estabelece entre os organismos:

Mutualismo defensivo

No mutualismo defensivo, um dos organismos geralmente recebe alimento e em troca oferece ao outro proteção contra predadores e parasitas.

Um exemplo de mutualismo defensivo são as formigas e as plantas acácias. As acácias fornecem alimento e seus espinhos fornecem proteção às formigas.

As formigas, por sua vez, protegem a acácia atacando herbívoros e livrando a planta de fungos.

Formigas e acácia

Mutualismo trófico

No mutualismo trófico, cada um dos organismos fornece para o outro os nutrientes que este não consegue produzir naturalmente. Geralmente esse tipo de relação acontece com fungos e bactérias mutualísticas.

Um exemplo de mutualismo com fungos é a micorriza, que acontece em associação com raízes de plantas. Nesses casos, o fungo obtém glicose e sacarose da planta e em troca fornece água e sais minerais.

A relação entre bactérias Rhizobium e leguminosas é outro exemplo de mutualismo trófico. Nesse caso, as bactérias disponibilizam nitrogênio para as leguminosas e estas fornecem às bactérias os nutrientes que obtém na fotossíntese.

Mutualismo RizhobiumBactérias Rhizobium e leguminosas

Mutualismo dispersivo

No mutualismo dispersivo insetos, aves e mamíferos se alimentam das plantas e em troca dispersam sementes e pólen que ficam depositados em seu corpo.

Um exemplo de mutualismo dispersivo são as abelhas, que se alimentam do néctar das flores e levam o pólen para outras plantas, o que permitirá a fecundação de óvulos em outros lugares.

Mutualismo abelha

Outros exemplos de mutualismo

Caranguejo Paguro e anêmona do mar

O caranguejo paguro utiliza as conchas abandonadas por caramujos para se proteger dos predadores. As anêmonas do mar costumam se fixar na superfície dessas conchas.

Nessa relação de mutualismo, a anêmona do mar se beneficia com a locomoção, pois sozinha não é capaz de se movimentar. E o caranguejo ganha proteção, pois a anêmona possui células urticantes que liberam uma toxina quando predadores entram em contato.

Esse mutualismo é facultativo, pois tanto a anêmona do mar, quanto o caranguejo podem viver sozinhos, mas ambos se beneficiam da relação.

Caranguejo

Peixe palhaço e a anêmona do mar

As anêmonas do mar também estabelecem uma relação mutualística com os peixes-palhaço. Esses peixes utilizam as anêmonas como refúgio e local de reprodução longe dos predadores.

Em troca, os peixes protegem a anêmona de predadores, fornecem nutrientes a partir de sua matéria fecal e realizam a limpeza das anêmonas, evitando a permanência de parasitas.

As anêmonas se alimentam de peixes, no entanto, o peixe palhaço possui uma mucosa que o protege da ação letal das anêmonas, possibilitando o mutualismo entre essas espécies.

Mutualismo peixe palhaço

Conheça também a relação ecológica comensalismo.

Data de atualização: 06/04/2020.