Antropologia

Pedro Menezes
Pedro Menezes
Professor de Filosofia, Mestre em Ciências da Educação
Atualizado em

O que é Antropologia:

Antropologia é uma ciência que se dedica ao estudo do ser humano em sua totalidade. O ser humano é compreendido pela antropologia em sua dimensão biológica, cultural e social, simultaneamente.

O termo de origem grega, formado por “anthropos” (homem, ser humano) e “logos” (conhecimento). A reflexão os seres humanos em seu comportamento social é conhecida desde a Antiguidade Clássica pelo pensamento de diferentes filósofos, como Sócrates, Platão e Aristóteles.

Há ainda um grande destaque para o grego Heródoto, considerado o pai da História e da Antropologia.

No entanto, a concepção moderna da Antropologia e seu estabelecimento como ciência social tem sua origem com Movimento Iluminista no século XVIII.

O Iluminismo procurou fundamentar os conhecimentos na razão e construir um conhecimento seguro, identificado como ciência. Buscou-se a compreensão das diferentes "raças de seres humanos", através do aprimoramento de métodos e classificações.

O positivismo também possui uma forte relação com o estabelecimento da antropologia como ciência. A partir da perspectiva positivista, buscou-se encontrar métodos para a construção de uma ciência social a semelhança das já estabelecidas ciências exatas e da natureza.

Assim, a antropologia nasce dos relatos sobre o modo de vida dos povos originários das colônias, nativos das novas terras descobertas. Dos debates sobre a condição humana e dos distintos modos de vida em relação às metrópoles.

Os estudos antropológicos tinham como base a comparação entre os povos "primitivos" e os "civilizados".

Essa perspectiva foi sendo abandonada, reconhecida como etnocêntrica, baseada na ideia de que havia um modo de vida humano evoluído que poderia operar como padrão para a leitura de outras sociedades.

A Antropologia se modifica a partir de uma ideia de relativização, que compreende não haver um processo evolutivo linear das sociedades e de seus indivíduos.

Os estudos sobre o ser humano e sua diversidade cultural, tornam-se multidisciplinar e procuram refletir sobre todas as dimensões da vida humana.

Historicamente, estas dimensões ocorrem na divisão da antropologia em duas grandes áreas:

1. Antropologia Física ou Biológica

Estuda os aspectos genéticos e biológicos do homem. Também é chamada de bioantropologia, dedicada a entender os mecanismos de adaptação e evolução do homem.

Essa divisão da antropologia recebe uma grande influência da obra de Charles Darwin, sobretudo, A Origem das Espécies (1859).

Entre seus objetos de estudos estão as características genéticas que diferenciam povos e possibilitam que eles sobrevivam em determinados ambientes. Como por exemplo, ao estudar as fisiológicas de diferentes grupos humanos, entre outras questões genéticas.

Além da genética a paleoantropologia (estudo da evolução humana) se dedica mais estritamente a esta área. A antropologia forense também utiliza de conhecimentos da antropologia biológica para elaborar seus laudos de identificação de cadáveres e estudos sobre crimes, usados pelo direito penal.

2. Antropologia Social e Cultural

Analisa o comportamento do ser humano em sociedade (grupos sociais), a organização social e política, as relações sociais e suas instituições.

A antropologia social difere da sociologia no objeto da investigação. A sociologia se dedica a entender os movimentos e estruturas sociais de uma forma macro, já a antropologia social é voltada à relação que o ser humano estabelece com estes fenômenos em uma busca mais centrada no ser.

A divisão norte-americana da antropologia não usa o conceito de antropologia social, e sim a chamada Antropologia Cultural.

A Antropologia Cultural investiga as questões culturais que envolvem os seres humanos, como:

  • costumes,
  • mitos,
  • valores,
  • crenças,
  • rituais,
  • religião,
  • língua,
  • outros aspectos fundamentais na formação da cultura.

São conceitos trabalhados pela antropologia social as noções de cultura e de alteridade.

Dentro do escopo da antropologia cultural ainda há os estudos da linguística e a etnografia como campos de especialização.

A linguística busca analisar a formação de uma cultura refletida ou construída pelo uso da língua. Ou seja, parte da compreensão de que o modo como um grupo social se organiza tem uma estreita relação com sua linguagem.

A etnografia é o método de pesquisa próprio da antropologia e tem sido apropriada pelas demais áreas das ciências sociais. O antropólogo, que nesta função também pode ser chamado de etnógrafo, acompanha de perto o grupo que está estudando, vivendo como eles, dentro da comunidade.

A partir da observação do grupo social, o antropólogo produz um diário de campo, onde coleta o máximo de informação possível, analisada posteriormente. A etnografia pretende observar a organização de um grupo social com o mínimo de intervenção do investigador.

Veja também:

Pedro Menezes
Pedro Menezes
Licenciado em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Mestre em Ciências da Educação pela Universidade do Porto (FPCEUP).