Feminismo

Juliana Theodoro
Revisão por Juliana Theodoro
Mestra em Ciências da Comunicação

Feminismo é um movimento político, filosófico e social que defende a igualdade de direitos entre mulheres e homens.

Trata-se de um movimento que busca a igualdade de gênero, procurando garantir os direitos das mulheres e acabar com as discriminações de gênero. Quem acredita no feminismo, é chamada de feminista.

O feminismo afirma que a sociedade em que vivemos foi construída sobre valores que exaltam o masculino e inferiorizam as mulheres, colocando-as em papéis socialmente secundários, por isso, o movimento tenta acabar com essa desigualdade.

Movimentos feministas

Durante a noite, mulheres com tochas nas mãos participam de uma manifestação feminista.
Manifestação feminista em Barcelona, na Espanha.

Os movimentos feministas são movimentos sociais, ou seja, são organizações de pessoas que se unem por uma causa. No caso das feministas, a causa principal é a igualdade de gênero.

Entretanto, o movimento não é homogêneo. Ele está presente em todo o mundo e devido à diversidade das realidades femininas, suas pautas e objetivos variam bastante conforme a linha filosófica que segue, a região, a etnia, a orientação sexual e identidade de gênero de suas participantes.

A pauta feminista em países desenvolvidos, por exemplo, pode ser bem diferente de países do Sul Global. Enquanto questões como igualdade salarial e participação política são discutidas em alguns locais, outros ainda precisam combater o casamento infantil, a mutilação genital feminina ou pobreza menstrual.

Portanto, o movimento feminista é diverso e plural porque a realidade das mulheres pede que assim seja. É importante entender que as várias correntes e pensamentos do feminismo são válidas e escutar as vivências de outras mulheres é essencial.

Tentando alcançar seus objetivos, as feministas realizam protestos, marchas, campanhas de conscientização e também se articulam dentro da política, por meio da eleição de mulheres que integrem partidos que apoiam o feminismo.

História do feminismo

Geralmente, a história do feminismo é divida em ondas. Apesar de existirem organizações de mulheres com características feministas antes do século XIX, é esse o período considerado da primeira onda, marcado pelo movimento das sufragistas.

As sufragistas eram mulheres que lutavam pelo sufrágio universal, ou seja, pelo direito ao voto. Foi uma movimentação que exigia a possibilidade das mulheres participarem as escolhas democráticas. Aconteceu em vários países, com destaque para o Reino Unido.

A segunda onda feminista aconteceu entre os anos de 1960 e 1980, foi um período de grande alvoroço social, em que outros movimentos sociais cresciam, como o movimento negro.

A pauta feminista no período estava voltada para o direito a contracepção (uso de pílula anticoncepcional), a valorização da sexualidade feminina, o direito ao divórcio e também a quebra de estereótipos de gênero.

A terceira onda feminista, começou na década de 1990 e dura até hoje, tem como principal característica o entendimento da pluralidade do movimento, abraçando a interseccionalidade.

A interseccionalidade afirma que as mulheres podem sofrer mais de um tipo de discriminação, não só por serem mulheres, mas também por sua etnia, nacionalidade, religião, identidade de gênero, orientação sexual, entre outros.

O feminismo de terceira onda é reconhecido por entender que as experiências de vida das mulheres vão além da discriminação de gênero. Por isso, também acrescenta aos seus objetivos a luta contra o racismo, a homofobia, a transfobia e outros tipos de preconceito.

Além da interseccionalidade, o feminismo atual também promove o empoderamento feminino, fazendo com que as mulheres individualmente se sintam valorizadas e plenas de suas capacidades.

Promove, ainda, o combate à cultura do estupro. Trata-se de um conceito que afirma que violência sexual contra mulheres é normalizada, minimizada e até incentivada em nossa sociedade.

Por exemplo, faz parte da cultura do estupro culpar a vítima violentada, acusando-a de se vestir inadequadamente, de ter consumido bebidas alcoólicas ou estar sozinha a noite, em uma tentativa de justificar a ação do agressor.

Exemplos de feminismo

Existem incontáveis formas de realizar atitudes consideradas feministas, buscando empoderar mulheres e promover uma sociedade mais igualitária. Conheça algumas:

  • Denunciar casos de violência domestica;
  • Denunciar casos de assédio;
  • Acolher mulheres vítimas de violência e assédio;
  • Não culpar as vítimas de violência e assédio;
  • Garantir que homens e mulheres ocupando as mesmas funções tenham salários iguais;
  • Garantir que mulheres tenham o seu direito a licença maternidade respeitados;
  • Fazer com que mulheres que também são mães não sejam excluídas do mercado de trabalho;
  • Aceitar que mulheres não queiram ser mães;
  • Fazer com que mulheres mais velhas, negras, indígenas, com deficiência, transexuais não sejam excluídas do mercado de trabalho;
  • Incentivar a educação e a empregabilidade de mulheres trans;
  • Incentivar mulheres a ocuparem profissões em todas as áreas, especialmente aquelas consideradas "masculinas", como as engenharias, programação, entre outras;
  • Votar em mulheres feministas nas eleições regionais e nacionais;
  • Participar de protestos e marchas com causas feministas;
  • Garantir que as mulheres tenham acesso à contracepção de forma simples e gratuita;
  • Combater a pobreza menstrual;
  • Incentivar para que meninas e mulheres tenham acesso à educação formal;
  • Não aceitar piadas e comentários machistas;
  • Ajudar mulheres que se encontrem em situações de vulnerabilidade, como sozinhas em ruas perigosas, embriagadas e sem amigas próximas, entre outras situações.
  • Combater padrões de beleza;
  • Incentivar para que mulheres possam viver a sua sexualidade de forma livre e sem julgamentos;
  • Combater o lesbofobia (discriminação contra mulheres lésbicas), a transfobia, o racismo, o capacitismo, a gordofobia, e o etarismo.

Saiba mais sobre igualdade de gênero e o que é ideologia de gênero.

Símbolos do feminismo

Mulher levanta bandeirinha lilás com a frase Nem uma a menos, em protesto feminista.
Protesto Feminista em Goiânia, com a campanha "Nem uma a menos" contra o feminicídio.

O principal símbolo do feminismo é o punho feminista com o símbolo do feminino. Trata-se do punho erguido com as mãos fechadas juntamente com o símbolo de Vênus (♀), que historicamente representa o feminino.

Já as cores simbólicas do feminismo são o roxo e o verde, eram as cores usadas pelos sufragistas na primeira onda feminista e ainda são utilizadas até hoje.

Tipos de feminismo

Existem muitos tipos de feminismo, dentro do movimento há diversas correntes que enxergam caminhos diferentes para a emancipação feminina.

Vale lembrar que além de uma organização política e social, o feminismo também é uma linha de estudo filosófico e acadêmico. Conheça as vertentes mais famosas do feminismo:

  • Feminismo liberal - o foco está na busca de mudanças dentro das regras sociais e políticas já existentes, como a garantia ao voto e a educação, igualdade salarial e acesso as mesmas oportunidades econômicas que os homens;
  • Feminismo radical - o enfoque está na reestruturação da sociedade através da eliminação de estruturas e culturas patriarcais;
  • Feminismo socialista - entende que a emancipação feminina deve acontecer com junto com o fim da opressão de classe, é de caráter anticapitalista;
  • Feminismo negro - une o combate a misoginia a luta contra o racismo. Entende que mulheres negras têm questões importantes que são específicas, buscando dar destaque para essas problemáticas;
  • Feminismo interseccional - destaca como várias formas de discriminação podem se somar na vivência de mulheres, por isso, trabalha o feminismo incluindo questões de raça, classe, sexualidade, identidade, entre outras.
  • Feminismo queer - o enfoque está em temas relacionados com identidade de gênero e sexualidade, adotando pautas de mulheres lésbicas, trans, queers, e mais.
  • Feminismo decolonial - foca na emancipação feminina a partir da desconstrução do colonialismo. É mais forte no Sul Global e em países que foram colonizados, como o Brasil;
  • Ecofeminismo - o foco está nas relações entre opressão feminina e a exploração ambiental através do mesmo pensamento de dominação.

Veja mais sobre vertentes do feminismo.

Feminismo no Brasil

Mulheres em protesto feminismo, com foco no cartaz  que diz “mulheres na rua, a luta continua!".
Protesto do Dia Internacional da Mulher, 8 de março, em Salvador.

Assim como em outros países da América Latina, o movimento feminista no Brasil passou a ganhar força no começo do século XX. O país acompanhou todas as ondas, adotando objetivos gerais, mas também pautas específicas.

Durante a primeira onda conquistou o direito ao voto, que aconteceu em 1932 com o decreto 21.076 do Código Eleitoral Provisório, do governo do presidente Getúlio Vargas.

Na segunda onda, conseguiu o Direito ao Divórcio (1977) e a criação das Delegacias da Mulher (1985). Mais recentemente outras leis e políticas idealizadas pelas feministas se tornaram realidade.

Por exemplo, a Casa da Mulher Brasileira (local de acolhimento para mulheres vítimas de violência), a Lei Maria da Penha (combate a violência doméstica) e a Lei Carolina Dieckmann (contra exposição online de imagens pessoais sem consentimento).

Existe ainda a Lei do Minuto Seguinte (que oferece as vítimas de abusos sexuais atendimento médico e psicológico imediato) e a Lei do Feminicídio (que agrava o crime de homicídio por motivos misóginos).

Apesar dos avanços alcançados durante a jornada feminista no país, ainda há muitos desafios pela frente. Por exemplo, o fim da cultura do estupro, da violência doméstica, da transfobia, a pobreza menstrual, a igualdade salarial, entre muitos outros.

Diferença entre feminismo e machismo

O machismo é o preconceito contra mulheres. Pessoas machistas não acreditam na igualdade entre homens e mulheres, e pregam a superioridade masculina.

A sociedade em que vivemos foi moldada por valores machistas e são esses princípios que o feminismo tenta desconstruir e mudar.

Portanto,o feminismo não funciona como uma tentativa de sobrepor o "poder feminino" sobre o masculino, mas sim como uma luta pela igualdade entre mulheres e homens em todos os setores da sociedade.

Saiba mais sobre machismo e desigualdade de gênero.

Diferença entre feminismo e femismo

Feminismo e femismo possuem significados completamente diferentes. O feminismo é um movimento social que reivindica igualdade de direitos entre homens e mulheres.

O femismo pode ser considerado o sinônimo do machismo (ao mesmo tempo que é seu oposto), pois se trata de uma ideologia de superioridade da mulher sobre o homem.

Entretanto, na realidade, o femismo praticamente não existe, pois socialmente quase não há discriminação de homens somente por serem homens.

Saiba mais sobre o femismo.

Juliana Theodoro
Revisão Juliana Theodoro
Mestra em Ciências da Comunicação e especialista em Estudos de Mídia e Jornalismo, com ênfase em Estudos de Gênero e Análise do Discurso. É jornalista desde 2016.
Outros conteúdos que podem interessar