Exemplos de contos

3 exemplos de contos para entender o estilo:

O conto é um estilo literário que utiliza a narrativa como tipologia textual predominante. É caracterizado por histórias curtas, com poucos personagens, um conflito e um clímax.

Diferente de um romance, que é uma história longa e que traz uma grande quantidade de detalhes, o conto é curto e traz apenas as informações imprescindíveis para o desenvolvimento do enredo.

Veja alguns exemplos de contos:

1. O homem que sabia javanês - Lima Barreto

Este conto de Lima Barreto relata uma conversa entre dois amigos em um bar. O narrador, Castelo, conta para seu amigo que estava com dificuldades financeiras e encontrou um anúncio para professor de javanês. Mesmo sem conhecer o idioma, achou que seria uma boa oportunidade.

Precisa-se de um professor de língua javanesa. Cartas etc." Ora, disse cá comigo, está ali uma colocação que não terá muitos concorrentes; se eu capiscasse quatro palavras, ia apresentar-me.

Castelo foi até uma biblioteca, consultou enciclopédias e tomou conhecimento do alfabeto e de algumas palavras em javanês.

Candidatou-se para a vaga e foi chamado para uma visita ao Barão de Jacuecanga, que desejava fazer as aulas para ler um livro que havia ficado de herança para a família.

- E onde aprendeu o javanês? - indagou ele, com aquela teimosia peculiar aos velhos.

Não contava com essa pergunta, mas imediatamente arquitetei uma mentira. Contei-lhe que meu pai era javanês.

Castelo foi contratado pelo barão e ao longo do tempo foi ganhando muito prestígio pelo fato de acreditarem que falava javanês. O barão desistiu de aprender o idioma e pediu que Castelo apenas traduzisse o livro. Castelo inventou histórias que nunca foram desmentidas, pois ninguém sabia javanês.

Fez-me morar em sua casa, enchia-me de presentes, aumentava-me o ordenado. Passava, enfim, uma vida regalada.

O homem ganhou prestígio, recebeu um posto no consulado, morou em Havana e foi para a Europa. As pessoas o admiravam pelo conhecimento que possuía, conhecimento este que nunca foi posto à prova.

Na rua, os informados apontavam-me, dizendo aos outros: "Lá vai o sujeito que sabe javanês." Nas livrarias, os gramáticos consultavam-me sobre a colocação dos pronomes no tal jargão das ilhas de Sonda. Recebia cartas dos eruditos do interior, os jornais citavam o meu saber e recusei aceitar uma turma de alunos sequiosos de entenderem o tal javanês. A convite da redação, escrevi, no Jornal do Comércio, um artigo de quatro colunas sobre a literatura javanesa antiga e moderna...

2. A moça tecelã - Marina Colassanti

A moça tecelã conta a história de uma menina que passava os seus dias tecendo e tudo o que tecia ganhava vida - o sol, as nuvens, a chuva. Se lhe dava fome, tecia um peixe e logo havia um peixe em sua mesa, se tecia leite, o leite aparecia.

Se era forte demais o sol, e no jardim pendiam as pétalas, a moça colocava na lançadeira grossos fios cinzentos do algodão mais felpudo. Em breve, na penumbra trazida pelas nuvens, escolhia um fio de prata, que em pontos longos rebordava sobre o tecido. Leve, a chuva vinha cumprimentá-la à janela.

Tudo o que a moça fazia era tecer, mas um dia sentiu-se sozinha e teceu um marido. Ao terminar de tecê-lo, o homem abriu a porta de sua casa e entrou. A moça pensava no que mais teceria para sentir-se ainda mais feliz e teceu os filhos.

E feliz foi, durante algum tempo. Mas se o homem tinha pensado em filhos, logo os esqueceu. Porque tinha descoberto o poder do tear, em nada mais pensou a não ser nas coisas todas que ele poderia lhe dar.

O homem, então, passou a exigir que a moça trabalhasse para comprar uma casa maior e então um palácio. A moça passou a tecer para oferecer ao marido os luxos que desejava. Sentiu-se triste e pensou em como seria bom estar sozinha novamente.

Em uma noite, esperou o marido dormir, levantou-se e foi até seu tear. Começou a desfazer os palácios, as carruagens e tudo o que havia nele.

A noite acabava quando o marido estranhando a cama dura, acordou, e, espantado, olhou em volta. Não teve tempo de se levantar. Ela já desfazia o desenho escuro dos sapatos, e ele viu seus pés desaparecendo, sumindo as pernas. Rápido, o nada subiu-lhe pelo corpo, tomou o peito aprumado, o emplumado chapéu.

3. Edmundo, o céptico - Cecília Meireles

Edmundo é um menino cético, que não acredita no que lhe dizem e quer descobrir suas verdades a partir de suas próprias experiências. Quebrou um dente tentando morder um caroço de ameixa, depois quase se afogou em uma pipa d'água.

Disseram-lhe que, mergulhando de cabeça na pipa d’água do quintal, podia morrer afogado. Não se assustou com a idéia da morte: queria saber é se lhe diziam a verdade. E só não morreu porque o jardineiro andava perto.

Edmundo via os adultos como adversários, como pessoas que contam mentiras. Em uma festa de aniversário, um mágico encantava as crianças com suas apresentações, mas Edmundo não acreditava nas mágicas, foi mexer no arsenal do artista e acabaram as mágicas.

(Edmundo estragava tudo. Edmundo não admitia a mentira. Edmundo morreu cedo. E quem sabe, meu Deus, com que verdades?)

Entenda o que é uma narrativa e conheça suas características.

O que é um conto?

Contos são narrativas curtas, são histórias com início, meio e fim e geralmente apresentam um único conflito. Por serem curtas, acontecem em um espaço e tempo limitados.

Júlio Cortázar, um importante escritor e contista argentino, diferenciou o conto de um romance a partir da seguinte metáfora:

Se comparada a uma luta de boxe, o romance vence por pontos, enquanto o conto vence por nocaute.

O conto é uma história rápida, que costuma acabar com uma reviravolta. Mas apesar de curto, é uma história densa e que envolve o leitor. Por se tratar de uma história rápida e envolvente, o ideal é que seja lido de uma só vez.

O Brasil tem contistas importantes, como Clarice Lispector, Machado de Assis, Lygia Fagundes Telles, Carlos Drummond de Andrade e Álvares de Azevedo.

Saiba mais sobre conto e sobre o texto narrativo.

Estrutura dos contos

Os contos são compostos pelos seguintes elementos:

  • Personagens: por serem histórias curtas, os contos costumam ter poucos personagens;
  • Narrador: o narrador é aquele que conta a história. Ele pode ser em 1ª pessoa, quando participa da história, e em 3ª pessoa, quando a observa. No caso de ser um narrador em 3ª pessoa, ele pode ser apenas o observador, que relata o que vê, ou então um narrador onisciente, que sabe o que os personagens pensam e conhece o passado e o futuro;
  • Tempo: o tempo refere-se à época em que a história acontece;
  • Espaço: o espaço é o local onde se passa a história;
  • Enredo: o enredo é a sequência de acontecimentos;
  • Conflito: o conflito é a situação-problema que é vivenciada pelos personagens, por se tratarem de histórias curtas, é comum haver apenas um conflito.

Veja também o significado de enredo e romance.

Data de atualização: 28/10/2020.