Psicopedagogia

O que é a psicopedagogia?

A psicopedagogia é a área do conhecimento que estuda a aprendizagem do seres humanos. Essa ciência se dedica a compreender como os indivíduos aprendem, quais as dificuldades podem surgir nesse processo e como potencializar o aprendizado.

Entender como uma pessoa aprende é importante para a construção das práticas de ensino e também para auxiliar aqueles que apresentam alguma dificuldade em adquirir novos conhecimentos.

Para a psicopedagogia, a aprendizagem é um ato complexo, que envolve condições cognitivas, sociais e afetivas. Isso significa que além dos aspectos biológicos (algum distúrbio, como dislexia ou déficit de atenção, por exemplo), é preciso compreender qual é o contexto social e cultural e como são as relações familiares dos indivíduos.

Algumas perguntas que a psicopedagogia busca responder são:

  • Como as crianças, jovens e adultos aprendem ou não aprendem?
  • Quais são as causas das dificuldades de aprendizagem?
  • Como eliminar ou minimizar as dificuldades de aprendizagem?

A psicopedagogia é um campo de estudo interdisciplinar, ou seja, que envolve diferentes disciplinas. Reúne conhecimentos da psicologia e da pedagogia, mas também de áreas como a pediatria, a fonoaudiologia e a antropologia.

Para ser um psicopedagogo é preciso fazer uma graduação ou especialização na área. Esse profissional pode atuar em instituições de ensino, hospitais, empresas ou em clínicas de atendimento individual.

O que faz um psicopedagogo?

O psicopedagogo é o profissional que tem como objetivo potencializar a aprendizagem dos indivíduos. Esse trabalho pode ser feito de maneira preventiva ou terapêutica.

Quando o trabalho é feito de maneira preventiva, busca-se evitar problemas futuros na aprendizagem. E quando algum distúrbio de aprendizagem já foi identificado, realiza-se um tratamento terapêutico para eliminar ou minimizar essas dificuldades.

A aprendizagem é um processo que envolve diversos aspectos do educando e do seu contexto social. Por isso, os psicopedagogos costumam atuar em parceria com outros profissionais, como psicólogos, assistentes sociais e fonoaudiólogos.

A psicopedagogia atua a partir de dois enfoques: a psicopedagogia institucional, que trabalha de maneira preventiva em escolas, empresas e demais instituições. E a psicopedagogia clínica, que está focada no tratamento individual em consultórios ou hospitais.

O que é a psicopedagogia institucional?

A psicopedagogia institucional é a vertente da psicopedagogia que atua em escolas, associações, órgãos ou empresas. Nesses casos, o psicopedagogo trabalha em parceria com os gestores, professores e alunos de maneira coletiva.

O papel dos psicopedagogos nas organizações é identificar o que ajuda e o que atrapalha os alunos no processo de aprendizagem. E, partir dessa análise, propor ações para potencializar o desenvolvimento dos alunos.

Exemplos de como um psicopedagogo pode atuar em diferentes organizações:

  • Escolas: diagnósticos sobre as práticas pedagógicas da escola, orientação aos professores e gestores sobre os processos de ensino e desenvolvimento de práticas que fortalecem o relacionamento dos alunos com os educadores;
  • Empresas: realização de treinamentos para melhorar o desempenho e o relacionamento interpessoal entre os colaboradores;
  • Hospitais: acompanhamento dos pacientes que precisam se afastar da escola por motivos de internação, contribuindo para o seu desenvolvimento e para a inclusão escolar das crianças no período pós-hospitalar.

O que é a psicopedagogia clínica?

A psicopedagogia clínica é aquela que acontece com atendimentos individuais em consultórios ou clínicas hospitalares, quando os distúrbios ou dificuldades de aprendizagem já foram identificados previamente.

As dificuldades de aprendizagem podem estar relacionadas a:

  • Impossibilidade ou dificuldade em aprender os conteúdos;
  • Lentidão na aprendizagem em relação aos colegas;
  • falta de interesse no aprendizado.

No atendimento clínico, o profissional busca compreender como são as relações familiares e sociais daquele indivíduo e o que aconteceu em cada etapa de sua vida. Conhecer o contexto em que está inserido o ajuda a identificar as causas das dificuldades de aprendizado.

O tratamento clínico acontece na forma de terapia e tem como objetivo tratar as dificuldades, de modo que as barreiras de aprendizagem sejam eliminadas ou minimizadas e que o aluno possa desenvolver seu potencial.

Qual a diferença entre psicopedagogia institucional e clínica?

A principal diferença entre esses enfoques é que a psicopedagogia institucional atua de maneira preventiva, para evitar problemas de aprendizagem. A psicopedagogia clínica, por outro lado, trabalha de forma terapêutica e visa curar as dificuldades identificadas.

Nas organizações, os psicopedagogos atuam juntamente com gestores e alunos, com o intuito de criar ambientes favoráveis ao aprendizado e prevenir possíveis barreiras que dificultem o desenvolvimento dos educandos.

No atendimento clínico, os indivíduos já apresentam algum tipo de dificuldade de aprendizagem e serão acompanhados pelo psicopedagogo. Esse profissional irá identificar o que impede ou dificulta o desenvolvimento do aluno para então propor um tratamento para o seu caso particular.

A história da psicopedagogia no Brasil

A psicopedagogia no Brasil começa a ser discutida por volta dos anos 1960. Nessas primeiras décadas, assim como em outros países, as dificuldades de aprendizagem eram tratadas como doenças de origem orgânica, ou seja, resultado de disfunções do próprio organismo.

Essas dificuldades eram chamadas de “disfunções cerebrais mínimas” (DCM). Esse diagnóstico desconsiderava os problemas sociais e familiares enfrentados pelas crianças e também os problemas do próprio sistema de ensino.

Nas décadas seguintes, os psicopedagogos começaram a perceber que as dificuldades de aprendizagem não estavam relacionadas apenas a questões biológicas. Elas também eram influenciadas pelas relações sociais e afetivas do indivíduo.

O primeiro curso de psicopedagogia do Brasil foi fundado em 1979 no Instituto Sedes Sapientiae em São Paulo, por iniciativa da pedagoga Maria Alice Vassimon. Esse curso era destinado a complementar a formação de educadores e psicólogos que desejavam se aprofundar nas dificuldades de aprendizagem.

A partir dos anos 90, os cursos de especialização em psicopedagogia se multiplicaram pelo país e a profissão se popularizou. Uma das instituições que se destaca no reconhecimento e na divulgação de informações sobre a área é a Associação Brasileira de Psicopedagogia.

Os estudos sobre a psicopedagogia se iniciaram na Europa do século XIX. O suíço Jean Piaget e o russo Lev Vygotsky foram estudiosos importantes sobre a educação, suas descobertas sobre a aprendizagem contribuíram para o desenvolvimento da psicopedagogia.

As descobertas dos pesquisadores europeus chegaram até a América Latina por volta dos anos 1960 e a Argentina se tornou referência nos estudos sobre psicopedagogia na região. Devido à proximidade geográfica e linguística, os estudiosos argentinos contribuíram para o desenvolvimento da psicopedagogia no Brasil.

Um dos estudiosos mais importantes da Argentina foi Jorge Visca, fundador do Instituto de Psicopedagogia da Argentina e também de Centros de Estudo em Psicopedagogia no Rio de Janeiro, em Curitiba e em Salvador.

O que é e qual a função da Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp)

A Associação Brasileira de Psicopedagogia é uma organização que reúne e oferece suporte aos profissionais da psicopedagogia. Atua no desenvolvimento desse campo de estudo, visando a atualização dos profissionais e a divulgação das pesquisas realizadas pelos educadores.

Um dos principais objetivos desta organização é a luta pela regulamentação da profissão, que irá determinar os direitos e deveres dos psicopedagogos no Brasil.

Embora os cursos de psicopedagogia sejam regulamentados pelo Ministério da Educação (MEC), a profissão ainda não está regulamentada no Brasil. A associação acompanha, desde 1997, um Projeto de Lei que tramita no Congresso Federal para a regulamentação da atividade.

A regulamentação da profissão permitiria que esses profissionais trabalhassem conforme uma legislação própria. Alguns benefícios da regulamentação de uma atividade são: a definição de um piso salarial e as regras sobre a jornada de trabalho.

Os psicopedagogos defendem que a regulamentação da profissão é importante para que existam diretrizes bem definidas sobre a atuação desses profissionais. Além disso, defendem que o seu trabalho tem grande importância no Brasil, onde os índices de evasão e insucesso escolar são altos.

O símbolo da psicopedagogia no Brasil

O símbolo da psicopedagogia no Brasil é uma “Fita de Möbius”, composta por três fitas torcidas e ligadas pelas extremidades. Essa imagem representa o olhar do psicopedagogo sobre o indivíduo que está aprendendo.

As voltas da fita representam o processo de aprendizagem do indivíduo, a bolinha central representa o novo conhecimento sendo adquirido e a bolinha vermelha da parte externa representa as mudanças após a aquisição do conhecimento.

A “Fita de Möbius” foi descoberta em 1858 pelo matemático alemão Auguste Ferdinand Möbius, enquanto estudava a teoria dos poliedros.

Psicopedagogia

12 de novembro: dia do psicopedagogo no Brasil

O dia 12 de novembro foi instituído pela Associação Brasileira de Psicopedagogia como o dia do psicopedagogo durante a gestão da presidente Nivea Maria de Carvalho Fabrício (1999-2001). A data foi escolhida em homenagem ao dia da criação da Associação, que aconteceu em 1980.

Essa data é uma homenagem aos profissionais da área que, com seu trabalho, ajudam os alunos a superarem dificuldades no aprendizado, contribuindo para uma educação mais inclusiva e eficaz.

Veja também o significado de desenvolvimento infantil.

Referências bibliográficas

ARAUJO, Paula Fernandes Corrêa de. A pedagogia seria uma possibilidade para o enfrentamento das dificuldades de aprendizagem? 2014. 71 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Educação, Universidade Metodista de São Paulo 22, São Bernardo do Campo, 2014.

ANJOS, Elza Karina Oliveira dos; DIAS, Juliana Rocha Adelino. Pedagogia: sua história, origem e campo de atuação. Revela: Revista Acadêmica Interinstitucional, São Paulo, v. 8, n. 18, p. 1-12, jul. 2015. Semestral.

SANTOS, Denise Moreira dos. Como a psicopedagogia pode contribuir no tratamento de crianças autistas. 2009. 43 f. Monografia (Especialização) - Curso de Especialização em Psicopedagogia, Universidade Candido Mendes, Rio de Janeiro, 2009.

SILVA, Vanderson de Sousa. Psicopedagogia: aspectos históricos e a práxis institucional. Educação Pública, v. 19, nº 15, 6 de agosto de 2019.

Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp). Disponível em: http://www.abpp.com.br/.

Data de atualização: 04/06/2020.