Romantismo: tudo sobre o movimento

O romantismo foi um movimento artístico, intelectual e filosófico que surgiu na Europa (inicialmente na França, Alemanha e Inglaterra), após a Revolução Francesa, no final do século XVIII. Na maioria dos outros locais, atingiu seu ápice na metade do século XIX.

O romantismo surge no momento em que a burguesia acabara de conquistar o poder político. Essa classe política queria transmitir para o povo ideais sobre o amor, o sentimento, Deus e espiritualidade, o patriotismo e a valorização do indivíduo.

Por isso, o período romântico ficou conhecido pela rejeição a racionalidade, da objetividade e do belo, característicos do Classicismo, o movimento anterior ao romantismo. O romantismo foi um movimento oposto não só ao classicismo, mas também ao Racionalismo e ao Iluminismo.

Os românticos defendiam a subjetividade, onde a visão do mundo era focada na idealização de tudo, nas emoções e sentimentos do indivíduo, nunca na realidade. Por isso, este período marcou a mudança de pensamento e comportamento do mundo ocidental, dando o início a modernidade.

A manifestação de todas essas características pode ser vista nas artes plásticas, na música, na literatura, na política e na arquitetura da época, dividida em dois discursos principais:

  • o sublime, que consiste nas grandiosidades, nas transcendências e no homem herói, que morre pela pátria e por amor (visto na história de Romeu e Julieta, obra do escritor William Shakespeare, por exemplo);
  • e o pitoresco que é mais escuro, tenebroso e inatingível. A estética do que é considerado “feio” também faz parte de obras românticas importantes, como o Corcunda de Notre-Dame e Frankenstein, por exemplo.

No Brasil, o romantismo chegou por volta do ano de 1836, após a recente independência do país. O período romântico brasileiro surge com o intuito de encontrar a identidade desse novo país, que já não pertencia mais aos seus colonizadores.

Três gerações marcaram o romantismo no Brasil:

  • A primeira geração, chamada de indianista, focava na figura do índio nativo e na exaltação da natureza brasileira;
  • A segunda geração, intitulada de ultrarromântica, é conhecida pelo intenso sentimentalismo e melancolia, além da predominância do egoísmo;
  • A terceira e última geração, uma das mais importantes, foi focada num tom de denúncia social, como as escritas contra escravidão.

Características do romantismo

Considerando que o romantismo buscava um afastamento dos valores de urbanização, progresso e racionalidade, a maioria das suas características são oposições diretas a esses padrões.

Esses aspectos pertenciam a movimentos anteriores, como o classicismo. Entre os principais traços do movimento estão:

Idealização

A idealização é uma das maiores características do período romântico, porque os artistas românticos frequentemente se retratavam como heróis rebeldes, à margem da sociedade e viam seu trabalho. Isso tudo como uma forma de mudar a própria vida ou da sociedade.

Por esse motivo, era comum que a arte romântica retratasse as injustiças sociais e as opressões políticas da época, apresentando a visão do artista sobre o que seria ideal para a questão.

Este homem herói também se manifestava como o indivíduo que buscava uma pátria ou um amor ideal, perfeito, fora da realidade, sempre priorizando as suas próprias expectativas e sentimentos.

Individualismo e subjetividade

Os escritores, pintores e escultores românticos valorizavam o indivíduo, suas próprias opiniões e sua visão sobre o mundo.

Assim, a originalidade era muito importante nas artes. Era ela que consegua apresentar a visão do autor quanto ao que era produzido.

Através da subjetividade, o indivíduo podia expor suas opiniões e idealizações no discurso pessoal, através de sentimentos e emoções, fugindo da realidade ou do que era concreto.

Valorização das emoções e sentimentos

Para o romantismo, não existia o lógico, o racional ou até mesmo o concreto. Defendendo que as emoções e os sentidos eram igualmente importantes na formação do raciocínio do indivíduo.

A presença da emoção e dos sentimentos dos autores nas obras é uma das características mais marcantes no movimento. Era comum, principalmente nas obras literárias, encontrar descrições melancólicas, tristes e sentimentalistas dentro das histórias.

Exaltação da natureza

Para os românticos, a natureza consistia em uma força incontrolável e transcendental que, apesar de estar relacionada, era distinta dos elementos físicos como árvores, folhas, etc.

Foco na imaginação

Considerando que o romantismo representava uma fuga dos valores da época, os pensadores e artistas românticos frequentemente recorriam à imaginação na produção das suas obras.

Na literatura, por exemplo, o objetivo não era descrever o mundo como ele é, mas sim como ele poderia ser.

Veja também o significado de classicismo e realismo.

Contexto histórico do romantismo

O Romantismo surgiu durante o período conhecido como Era das Revoluções, entre os anos de 1774 e 1849, no qual diversas transformações políticas, sociais e econômicas ocorreram no ocidente.

Entre os principais movimentos revolucionários da época estão a Revolução Industrial e a Revolução Francesa.

Outro grande acontecimento político desse período foi a ascensão da burguesia ao poder, durante a Revolução Francesa. Foram esses políticos que queria passar novos ideais a sociedade, quanto aos sentimentos, valor das emoções e do indivíduo, que foram esquecidos pelos movimentos anteriores, como o classicismo.

Movidos pelos mesmos ideais de mudança, os artistas românticos passaram a mudar não só a teoria e a prática de suas artes, mas também a própria forma com que percebiam o mundo.

Essa transformação ultrapassou o campo artístico e teve imenso impacto na filosofia e na cultura ocidental. Esses aspectos passaram a aceitar a emoção e os sentidos como uma forma válida de experimentar a vida.

A influência das revoluções pode ser percebida nas características de idealismo e rebeldia, que foram marcantes nas obras produzidas no período.

O escapismo e o subjetivismo, que valorizavam mais os sentimentos individuais do que os coletivos, também podem ser colocados como uma influência do período histórico no romantismo.

O individualismo, outro aspecto do romantismo, era uma característica da burguesia da época, a classe social que acabara de ascender ao poder durante a Revolução Francesa.

Romantismo na literatura

O romantismo também se tornou um estilo literário inovador, porque permitiu que os artistas utilizassem a emoção e a espontaneidade. Assim, elespodiam explorar mais livremente os recursos artísticos dentro e fora da literatura.

Neste período, os romances literários tinham por base o sentimentalismo romântico e o escapismo, a condição de fuga do personagem, numa luta com o amor proibido ou não correspondido.

Por ter um forte apelo nacionalista, ovacionando e idealizando a pátria, a literatura romântica também enaltece o homem herói, que luta pelo amor e por sua nação. Além disso, os personagens são claramente vulneráveis e melancólicos, expondo suas emoções sempre em primeiro plano.

Alguns dos principais autores europeus românticos foram:

  • O francês Victor Hugo, autor das obras Os Miseráveis e O Corcunda de Notre Dame;
  • O inglês Samuel Taylor Coleridge (1772-1834), autor da obra A Balada do Velho Marinheiro;
  • O alemão August Wilhelm (1767-1845), autor da obra Ramos de Flores;

No Brasil, alguns dos autores que marcaram o período romântico foram:

  • Aluísio Azevedo (1857-1913), autor da obra O Cortiço;
  • Casimiro de Abreu (1837-1860), autor da obra Primaveras;
  • Gonçalves Dias (1823 - 1864), autor da obra Canção do Exílio.

Romantismo nas artes

A arte romântica era essencialmente baseada no individualismo, na natureza e no imaginário. Esses valores se manifestaram em todos os ramos artísticos da época e inspiraram pinturas, esculturas, poemas, entre outros.

Devido à ênfase na imaginação, os artistas davam muita importância à intuição, ao instinto e à emoção. Por serem muito pessoais e subjetivos, esses sentimentos reforçaram a noção de individualismo, que marcou o movimento.

Para os românticos, o individualismo se manifestava de forma mais plena em contextos de solidão.

Por esse motivo, a arte romântica tende a ser fortemente meditativa. Esse foco no imaginário e no subjetivismo afastava a noção de que a arte era um espelho do mundo. No romantismo a arte criava um mundo paralelo.

Romantismo - Arte 2"A balsa da Medusa", de Théodore Gericault, representando a ênfase que a arte romântica dava ao imaginário.

O romantismo trouxe um novo conceito de natureza que não se limitava aos bosques, árvores e animais. Para os românticos, a natureza era uma algo superior, transcendental e, por isso, incompreensível aos homens.

Como todos os pontos, a natureza também era vista de forma subjetiva e sua retratação variava de artista para artista.

Entre as formas mais comuns de interpretação da natureza estavam a ideia de que era um lugar divino, um refúgio do mundo industrializado ou mesmo um poder de cura.

Essa valorização da natureza fez com que, através do romantismo, a pintura de paisagem, antes vista como uma forma inferior de arte, fosse altamente aprimorada.

Romantismo - Arte"A árvore solitária", de Caspar David Friedrich. A obra demonstra vários traços característicos das obras românticas, como o culto à natureza, a exaltação da solidão e a fuga da cidade (escapismo).

Principais nomes e obras do romantismo

Confira abaixo os principais artistas românticos, seguidos de algumas de suas obras:

Literatura Europeia

  • William Blake - Sete livros iluminados, O casamento do céu e do inferno, Jerusalém, etc.
  • Samuel Taylor Coleridge – A balada do velho marinheiro, Kubla Khan, Cristabel, etc.
  • William Wordsworth – Solitário qual nuvem vaguei, O prelúdio, Ode ao dever, etc.

Pintura

  • Francisco de Goya – Três de maio de 1808 em Madrid (ou Os fuzilamentos de três de maio), Saturno devorando um filho, A maja nua, A maja vestida, etc.
  • William Turner – O navio negreiro, Chuva, vapor e velocidade, A batalha de Trafalgar, etc.
  • Caspar David Friedrich – Caminhante sobre o mar de névoa, Monge à beira-mar, O mar de gelo, etc
  • Eugène Delacroix – A liberdade guiando o povo, O massacre de Quios, A morte de Sardanápalo, etc.

Escultura

  • Antoine-Louis Barye – Teseu e o Minotauro, Leão e serpente, Águia e serpente, etc.
  • Pierre Jean David – Reavivando a Grécia, A morte de Aquiles, Louis II, etc.

Romantismo no Brasil

O romantismo no Brasil guarda muitas semelhanças com o movimento romântico europeu, principalmente o de Portugal. Porém, possui diversas peculiaridades marcadas pelo contexto histórico local.

Assim, além do subjetivismo, do culto à natureza, do escapismo e do sentimentalismo, o romantismo no Brasil foi fortemente marcado pelo nacionalismo e pela exaltação do índio.

Isso acontece porque o romantismo chega no Brasil em 1836, após a recém independência do país. Os autores brasileiros buscam, através dos romances, encontrar a identidade nacional que agora não possui mais as figuras representativas dos colonizadores.

Apesar de envolver diversas áreas da arte, o período romântico no Brasil foi fortemente voltado para a literatura e poesia. O romantismo brasileiro passou por três períodos:

Primeira Geração

Motivada pela recente Independência do Brasil em 1822, a primeira geração do romantismo brasileiro foi marcada por uma forte necessidade de afirmar a cultura local e romper com a influência europeia.

Assim, as obras frequentemente transmitiam valores nacionalistas e adotavam o indianismo, que exaltavam os índios como heróis representantes da cultura.

Segunda geração

A segunda geração do romantismo brasileiro surgiu na metade do século XIX e foi muito influenciada pelas obras do poeta inglês Lord Byron. As características mais marcantes desta época eram o pessimismo, a desilusão, a exaltação da morte, a depressão e a solidão. Por esse motivo, o período também é chamado de “ultrarromântico” ou “mal do século”.

Terceira geração

A terceira geração se iniciou por volta de 1860 e possuía um foco altamente político e social, influenciada pelas obras de Victor Hugo. Assim, os artistas transmitiam em suas obras ideais abolicionistas, críticas sociais e de valorização da liberdade. O período também é chamado de “geração condoreira” em referência a um condor, tido como símbolo da liberdade.

Romantismo em Portugal

O início do romantismo em Portugal acontece em 1825, com a obra chamada Camões, um poema épico do autor português Almeida Garrett (1799 - 1854). Este poema surge num contexto de total euforia nacional, pois D. João VI, que estava no Brasil, decide retornar para Portugal a fim de reaver a coroa portuguesa.

Assim, nasce um sentimento nacionalista, uma das fortes características do romantismo. A partir disso, o romantismo em Portugal começa a crescer, inspirado no período romântico que já estava consolidado em outros lugares da Europa, como a França, a Inglaterra e a Alemanha.

O período romântico lusitano possuiu fortes características que expressavam os discursos do romantismo. Entre elas:

  • Subjetividade;
  • Sentimentalismo;
  • Influência medieval, com foco na religião, em Deus;
  • Saudosismo;
  • Imaginação e idealização.

O romantismo em Portugal também possui, assim como o período no Brasil, três gerações.

Primeira geração

O início do romantismo em Portugal, em 1825, é marcado com a transição do movimento do arcadismo para o período romântico. Com a volta de D. João VI para o país, o romantismo se inicia com um forte apelo nacionalista, descrito nas obras literárias, retratando figuras políticas como heróis nacionais.

Também é possível ver o homem herói e patriota retratado através de influências medievais, como cavaleiros corajosos, honrados, que valorizam a sua pátria e a Deus.

Os autores mais conhecidos dessa geração são Almeida Garrett (1799 - 1854), Alexandre Herculano (1810 - 1877) e Antônio Feliciano de Castilho (1800 - 1875).

Segunda geração

Conhecida como a fase do ultrarromantismo, a segunda geração do romantismo em Portugal ficou conhecida como a fase mais importante do movimento no país. Neste período, o romantismo ultrapassa a condição da razão, gerando um forte sentimentalismo.

Aqui, os sentimentos predominantes são a dor, a solidão, o desespero e até mesmo a morte. Um dos escritores mais famosos dessa geração foi Camilo Castelo Branco (1825 - 1890), autor das obras Amor de Perdição e Amor de Salvação.

Camilo escrevia com sentimentalismo extremado, através da condição mórbida e sombria, presentes no discurso pitoresco do romantismo.

Terceira Geração

A terceira geração já representa o fim do romantismo em Portugal, na transição do romantismo para as ideias realistas.

Essa fase demonstra uma perspectiva mais social nas obras, com personagens mais conscientes e psicologicamente mais complexos.

O autor que marca esta última geração do romantismo em Portugal é Júlio Diniz (1839 - 1871), autor da obra As Pupilas do Senhor Reitor.

Veja também:

Data de atualização: 20/08/2020.