Significado de Iluminismo

O que é Iluminismo:

O iluminismo foi um movimento filosófico e intelectual que aconteceu entre os séculos XVII e XVIII na Europa, em especial, na França. Os pensadores iluministas defendiam as liberdades individuais e o uso da razão para validar o conhecimento.

Também chamado de “Século das Luzes”, o movimento iluminista representa a ruptura do saber eclesiástico, isto é, do domínio que a Igreja Católica exercia sobre o conhecimento. E dá lugar ao saber científico, que é adquirido por meio da racionalidade.

O iluminismo é um movimento da Idade Moderna que rompeu com o teocentrismo - doutrina que coloca Deus no centro de tudo - e passou a ver o indivíduo como o centro do conhecimento.

A origem do iluminismo

Durante a Idade Média, entre os séculos V e XV, a sociedade europeia foi marcada por forte influência da Igreja Católica.

A igreja defendia uma visão teocêntrica da sociedade e boa parte do conhecimento era fruto das crenças religiosas, de profecias e do próprio imaginário das pessoas.

Entre o final da Idade Média e início da Idade Moderna, o progresso da ciência começa a colocar em questão muitos conhecimentos e o próprio entendimento do mundo proposto pela religião.

A descoberta de que a Terra não era o centro do universo, por exemplo, abalou a supremacia do conhecimento eclesiástico.

O regime absolutista também era outro fator de insatisfação de boa parte da população. Essas sociedades eram divididas em estamentos e o clero e a nobreza - que estavam no topo da pirâmide social - gozavam de privilégios, que eram sustentados com os impostos do povo.

Esse conjunto de descontentamentos por parte da população levaria à Revolução Francesa, que foi inspirada nas ideias iluministas e representa o principal marco desse movimento intelectual.

Entenda também o significado de absolutismo.

O que foi o iluminismo?

O iluminismo pode ser entendido como uma ruptura com o passado e o início de uma fase de progresso da humanidade. Essa fase é marcada por uma revolução na ciência, nas artes, na política, e na doutrina jurídica, por exemplo.

Os iluministas queriam se libertar das trevas e da obscuridade proporcionadas pelos regimes absolutistas e pela influência da Igreja Católica. Muitos deles eram contra a religião instituída, mas não eram ateus, eles acreditavam que o homem chegaria à Deus por meio da razão.

Ao contrário do que pregava a religião, os intelectuais iluministas defendiam que o homem era o detentor do seu próprio destino e que a razão deveria ser utilizada para a compreensão da natureza humana.

A razão era, portanto, elemento central dos ideais iluministas, afinal, somente a racionalidade poderia validar o conhecimento. Eles acreditavam que a educação, a ciência e o conhecimento eram a chave para essa libertação.

Esse entendimento se contrapunha ao conhecimento baseado em crenças e misticismos religiosos, que para os filósofos iluministas, bloqueavam o progresso da humanidade.

iluminismo - significadosPintura de padres estudando astronomia e geometria no final do século XV, na França.

Entenda o significado de razão.

Principais ideias iluministas

  • Fim do domínio da igreja sobre o conhecimento
  • Razão como propulsora do saber
  • Indivíduo como centro do conhecimento

Iluminismo e o progresso da ciência

Durante esse período, o conhecimento rompe as fronteiras da imaginação e passa a ser construído com base em observações científicas, com experimentos empíricos.

Foi nesse momento que o homem descobriu como funcionava a órbita dos planetas e a circulação sanguínea no corpo humano. A criação do microscópio permitiu que o campo de visão fosse ampliado e a compreensão da natureza fosse expandida.

iluminismoRobert Hooke (1635-1703) criou o microscópio composto e é considerado o descobridor da célula.

Descobriu-se a eletricidade, o processo de formação do planeta Terra, o princípio de funcionamento das vacinas, a existência de bactérias e protozoários e a lei da gravitação universal.

Todos esses avanços na ciência foram fundamentais para que a Revolução Industrial fosse possível anos mais tarde.

Saiba mais sobre a Revolução Industrial.

Iluminismo e o desenvolvimento da política

Os iluministas também foram responsáveis pela evolução do pensamento político e do papel do Estado na sociedade. Em geral, esses pensadores se opunham aos regimes absolutistas, nos quais uma pequena parcela da população gozava de privilégios e o restante da população era oprimida.

O ponto central das discussões políticas dos iluministas eram as liberdades individuais dos cidadãos. Para esses filósofos, o Estado deveria garantir os direitos individuais, a liberdade de expressão, igualdade jurídica, justiça e a posse de bens.

Despotismo esclarecido

Os princípios democratizantes, no entanto, não foram aplicados em todos os países influenciados pelos ideais iluministas. Em alguns países formou-se o que se convencionou chamar despotismo esclarecido, um sistema político absolutista que implementava algumas ideias do iluminismo.

Nesses países, os monarcas continuavam exercendo seu poder absoluto, mas deveriam conhecer os princípios iluministas ou ser assessorados por filósofos dessa corrente.

Nesses casos, no entanto, não se realizaram reformas no sentido de reestruturar a sociedade ou de garantir maior participação do povo nas decisões políticas.

Características do Iluminismo

  • Defesa do conhecimento racional;
  • Oposição ao Mercantilismo e Absolutismo monárquico;
  • Apoiado pela burguesia;
  • Defesa dos direitos naturais do indivíduo (liberdade e livre posse de bens, por exemplo);
  • Deus está presente na natureza e no próprio homem;
  • Defesa da liberdade econômica (sem interferência do Estado);
  • Defesa de maior liberdade política;
  • Antropocentrismo.

Pensadores Iluministas

Conheça alguns dos principais filósofos iluministas e suas ideias:

Voltaire (1694 - 1778)

Voltaire, pseudônimo de François-Marie Arouet, foi um filósofo francês membro da burguesia. Crítico ardoroso do absolutismo e do poder exercido pela Igreja Católica, tinha como pilar de sua filosofia a liberdade de expressão e de pensamento.

Defendia que o Estado deveria ser uma monarquia constitucional e que o monarca deveria ser assessorado por filósofos. Voltaire era um admirador da Constituição Inglesa e em sua obra "Cartas Filosóficas" comparou a tolerância religiosa e a liberdade de expressão na Inglaterra à atrasada sociedade francesa.

Entenda o significado de liberdade de expressão.

Montesquieu (1689 - 1755)

Francês e ligado à aristocracia, Montesquieu desenvolveu em sua principal obra - "O Espírito das Leis" - a Doutrina dos Três Poderes. Grande partes dos Estados modernos hoje tem sua estrutura baseada nessa ideia.

Essa doutrina defende a divisão do poder entre legislativo, executivo e judiciário. Para o filósofo, "todo homem que tem poder é tentado a abusar dele", assim, a separação dos poderes seria uma forma de frear tais abusos.

Jean-Jacques Rousseau (1712 - 1778)

Rousseau nasceu na Suíça, mas viveu boa parte de sua vida na França. O filósofo era defensor da democracia e crítico da propriedade privada, que para ela era a origem das desigualdades e dos males sociais.

Sua principal obra foi "Contrato Social", onde ele descreve que para a construção de uma sociedade harmoniosa, as pessoas deveriam obedecer a vontade geral. Isso só seria possível com um Contrato Social, segundo o qual os homens deveriam abrir mão de alguns direitos em prol da comunidade.

Entenda o significado de propriedade privada.

Iluminismo no Brasil

Os ideais iluministas no Brasil motivaram a Inconfidência Mineira (1789), a Conjuração Fluminense (1794), a Revolta dos Alfaiates na Bahia (1798) e a Revolução Pernambucana (1817). Por aqui, também defendia-se a liberdade econômica e política e o fim do absolutismo.

O Iluminismo serviu de motivação para os movimentos separatistas do século XVIII no Brasil e teve uma grande importância no desenvolvimento político do país.

Veja também o significado de inconfidência.

Data de atualização: 18/07/2019.