Arquétipo

O que são os arquétipos?

Arquétipo é um conceito da psicologia utilizado para representar padrões de comportamento associados à um personagem ou papel social.

A mãe, o sábio e o herói são exemplos de arquétipos. Esses “personagens” têm características que são percebidas de maneira semelhante por todos os seres humanos.

Esse conceito foi desenvolvido por Carl G. Jung, psiquiatra suíço e fundador da psicologia analítica. Para Jung, os arquétipos estão no inconsciente coletivo e por isso são percebidos de maneira similar por todos.

Jung dizia que os arquétipos são uma herança psicológica, ou seja, são o resultado das experiências de milhares de gerações de seres humanos no enfrentamento das situações cotidianas.

As imagens dos arquétipos são encontradas em mitos, lendas, na literatura, nos filmes e também aparecem nos nossos sonhos.

Os arquétipos também são utilizados na publicidade. Quando um animal é utilizado em uma marca, espera-se que os clientes associem a marca às características daquele animal.

Os 12 arquétipos e seus significados

A partir da ideia dos arquétipos de Jung, desenvolveu-se uma classificação com 12 arquétipos que simbolizam algumas motivações básicas dos seres humanos.

Um indivíduo pode manifestar diversos arquétipos em sua personalidade, mas geralmente um deles é predominante. Os psicólogos costumam usar esses arquétipos para estudar as personalidades e desenvolver as potencialidades dos indivíduos.

  1. Sábio: o sábio é uma pessoa que busca o conhecimento e pratica a auto reflexão. Ele analisa as situações e age com sabedoria e inteligência.
  2. Mago: o mago acredita que o mundo pode ser diferente, acredita na transformação e na revolução, age no sentido de renovar as relações.
  3. Explorador: o explorador gosta de liberdade para agir e descobrir o mundo, ele busca por experiências novas e foge das situações rotineiras.
  4. Criador: o criador é o arquétipo do artista, do inventor. Essa pessoa é aquela que dá vida à imaginação e às coisas que ainda não existem.
  5. Herói: arquétipo presente em filmes e lendas, o herói é o guerreiro e destemido. Luta para proteger os seus e não teme os perigos.
  6. Rebelde: esse é o arquétipo daqueles que pensam de maneiras diferentes, que fogem dos padrões. Ele acredita que as regras podem ser quebradas.
  7. Amante: o amante é aquele que dá grande importância para as relações, ele é sensível e se sente feliz ao amar e ser amado.
  8. Tolo: o tolo é alegre e gosta de se divertir, de aproveitar a vida e fazer piadas. Também conhecido como louco, o tolo é autêntico e não tem vergonha de rir de si mesmo.
  9. Cuidador: o cuidador gosta de cuidar dos outros e faz o possível para que todos estejam bem. Costumam ser muito prestativos e ajudar quem precisa.
  10. Homem comum: o homem comum é aquele que age em conformidade com o que a sociedade espera. É uma pessoa boa para quem o rodeia mas pode perder sua individualidade.
  11. Inocente: o inocente é aquela pessoa que sabe enxergar os aspectos positivos em todas as situações, ele é espontâneo, mas pode ser ingênuo em algumas situações.
  12. Governante: o governante é o arquétipo do líder, ele tem autoridade e sabe se impor, mas ele pode se tornar autoritário para fazer valer a sua vontade.

Os arquétipos de Jung

Segundo Jung, os arquétipos são resultado de milhares de vivências de diferentes gerações de seres humanos, que vão se acumulando e formando o inconsciente coletivo.

Um exemplo seria a imagem materna: todas as pessoas têm uma mãe e podem formar uma imagem própria sobre esse papel, mas há semelhanças sobre a mãe na percepção coletiva.

O que Jung defende com a ideia de arquétipo é a existência de ideias que são anteriores às experiências do próprio indivíduo.

Isso explica a existência de temas idênticos em mitos e religiões entre grupos sociais de diferentes lugares e épocas e que não estabeleceram qualquer contato.

Para Jung a mente é um produto da história: além das heranças biológicas, possuímos heranças psicológicas que influenciam nossos comportamentos e experiências.

Outro exemplo de imagem que se repete desde os primórdios da vida humana é a existência de um ser divino a quem se recorre em situações difíceis e desconhecidas.

Para o Jung, compreender essas estruturas é importante para o autoconhecimento. Os principais arquétipos estudados por ele foram:

  • Persona: o arquétipo da persona se relaciona a maneira como os indivíduos se apresentam para a sociedade, ao papel que a pessoa assume quando está em público.
  • Sombra: a sombra é o arquétipo que se refere à todos os aspectos da nossa personalidade que não conhecemos, sejam virtudes ou defeitos.
  • Anima: anima é o arquétipo dos aspectos femininos de um homem. Segundo Jung, todos os homens têm uma minoria de genes femininos e portanto, tem características psicológicas desse gênero.
  • Animus: o animus é o arquétipo das características masculinas que se manifestam em uma mulher. Para Jung, as mulheres também têm uma minoria de genes masculinos que compõem sua personalidade.
  • Self: o self é o arquétipo que leva à busca pela individuação, que segundo Jung, diz respeito à busca pelo autoconhecimento, pela espiritualidade e pela compreensão do sentido da vida e da morte.

Veja também o significado de psicologia.

Data de atualização: 17/03/2020.