Candomblé

O que é Candomblé:

Candomblé é uma religião afro-brasileira em que se pratica o culto de divindades de origem africana chamadas orixás. Assim, apesar de ter nascido na Bahia, no século XIX, o candomblé foi formado a partir de tradições religiosas africanas de povos iorubás. Essas tradições foram trazidas ao Brasil por populações negras escravizadas vindas de países da África Ocidental, como Nigéria, Benin e Togo.

Os rituais do candomblé são realizados em locais de culto denominados terreiros, liderados por um pai ou mãe de santo. Durante as cerimônias, chamadas de toques, os participantes cantam e dançam, e os filhos-de-santo incorporam os orixás. Boa parte dessas cerimônias seguem um calendário fixo e são feitas em homagem às divindades.

Candomblé
Orixás incorporados participam de ritual em terreiro de candomblé.

Os candomblecistas (nome que se dá aos adeptos do candomblé) dividem-se em nações, entre as quais a congo, nagô, angola, ijexá, jeje e ketu. As nações são segmentos da religião e se diferenciam entre si por seus rituais, canções e vestimentas.

O candomblé baiano não é a única religião nascida das tradições dos povos iorubás. Em Pernambuco, o culto aos orixás é chamado de xangô; no Rio Grande do Sul, de batuque; no Maranhão, de tambor-de-mina. Esses cultos afro-brasileiros, bastante semelhantes, são genericamente chamados de "religiões dos orixás".

Candomblé e umbanda

Ambas as religiões surgiram no Brasil e carregam em sua identidade elementos de tradições religiosas africanas. Porém, apesar das semelhanças, há muitas diferenças entre as duas religiões. Para começar, basta dizer que a umbanda é fruto da mistura de elementos de outras religiões, como o catolicismo e o espiritismo kardecista. Já o candomblé é mais ligado às tradições religiosas africanas.

Vejamos as principais diferenças entre as duas religiões:

Candomblé Umbanda
Nasceu na Bahia, no século XIX Nasceu no Rio de Janeiro, no início do século XX
Nos rituais, há participação dos orixás Nos rituais, há participação das entidades (espíritos desencarnados)
Formado por tradições religiosas africanas Formada por elementos religiosos africanos, espíritas, católicos e indígenas
Mais vinculado à cultura africana Mais vinculado à cultura brasileira
Não há sincretismo entre orixás e santos católicos Há sincretismo entre orixás e santos católicos
Pratica-se o sacrifício animal Não se pratica o sacrifício animal
O atendimento espiritual é feito através dos jogos de búzios ou opelé O atendimento espiritual é feito através de médiuns incorporados

Saiba Tudo sobre a Umbanda e Diversidade Religiosa.

Orixás do candomblé

Os adeptos do candomblé creem que os orixás são divindades que receberam do deus supremo Olorum (ou Olodumare) a tarefa de criar e governar o mundo. Cada orixá está associado a determinado aspecto da vida em sociedade ou elemento da natureza. O panteão iorubá é formado por centenas de orixás, embora nem todos sejam cultuados no Brasil.

Vejamos alguns dos principais orixás cultuados no candomblé:

Orixás Principais características
Oxalá Conhecido como "orixá dos orixás", foi o primeiro orixá a ser criado por Olorum. É o criador do mundo e da humanidade. Sua cor é o branco.
Iemanjá Talvez a orixá mais famosa no Brasil, Iemanjá é a soberana dos mares e oceanos. Suas cores são o azul-claro e o branco.
Ogum Ogum é o governante da metalurgia e da guerra. De uma forma geral, é associado ao trabalho e à luta. Cores: azul, branco e verde.
Oxóssi Oxóssi é o orixá da caça, senhor das florestas, das plantas e dos animais. Sua cor é o azul-claro.
Oxum Orixá das águas doces, Oxum representa a maternidade, o amor, a fertilidade e a prosperidade. Sua cor é o amarelo.
Exu Exu é o orixá mensageiro, responsável pela comunicação entre os humanos e os deuses. Cores: preto e vermelho.
Nanã Orixá anciã, guardiã do saber ancestral. É a dona das lamas, das quais foram feitos os seres humanos. Cores: roxo, azul, branco e lilás.
Iansã Senhora dos ventos, das tempestades, dos raios e dos trovões. É também a guia dos espíritos dos mortos. Cores: marrom e vermelho.
Obaluaê Também conhecido como Omulu, é o senhor das pestes. Pode gerar a doença ou curá-la (orixá curandeiro). Cores: preto, branco e vermelho.
Ossaim Ossaim (ou Ossanha) é o orixá das ervas medicinais e das plantas, responsáveis pela cura. Suas cores são o verde e o branco.
Oxumarê Controla as chuvas e a fertilidade da terra. É associada ao arco-íris e à serpente. É masculino e feminino ao mesmo tempo. Cores: do arco-íris.
Xangô Senhor do trovão, Xangô é o orixá da justiça. Seu símbolo é o machado e suas cores são o marrom e o vermelho.
Logunedé Orixá do amor e da fraternidade, Logunedé é, ao mesmo tempo, masculino (caçador) e feminino (ninfa). Cores: amarelo e azul.

Saiba mais sobre os orixás Oxóssi, Ogum, Iemanjá, Oxum e Exu.

Rituais do candomblé

Os rituais são liderados pela mãe-de-santo ou pai-de-santo. Muitas vezes são caracterizados por danças em adoração ao orixá, que encarnam no filho ou filha de santo. As festas e cerimônias públicas do candomblé são chamadas de toques. Ao longo do ano, várias festas são promovidas nos terreiros de candomblé, sejam as festas fixas em homenagem a algum orixá ou os rituais de iniciação.

Os toques em homenagem aos orixás geralmente iniciam pela manhã, com sacrifícios animais. O sangue do animal é ofertado ao orixá, enquanto sua carne é preparada para ser servida aos fiéis. Depois, faz-se uma oferenda a Exu, orixá que tem o poder de abrir os caminhos. Durante a festa, os orixás são homenageados com cantos e danças, sempre ao som dos atabaques. Há um momento em que os próprios orixás "tomam" o corpo dos seus filhos para participar da festa - fenômeno conhecido como possessão.

Os rituais do candomblé fazem parte da cultura brasileira e ocorrem em todas as regiões do Brasil.

Veja também:

Data de atualização: 10/03/2021.