30 figuras de linguagens e seus exemplos

Carla Muniz
Revisão por Carla Muniz
Professora licenciada em Letras

As figuras de linguagem são recursos linguísticos utilizados na Língua Portuguesa para enriquecer ou dar mais ênfase aos textos. Elas também podem ser usadas para dar um significado diferente ao contexto apresentado.

Nas figuras de linguagem, uma palavra ou expressão é usada em um sentido diferente do usual, ou seja, é utilizada assumindo um novo significado dentro do contexto.

Existem muitos tipos de figuras de linguagem. Para entender melhor, vamos conhecer alguns exemplos das figuras mais utilizadas:

1. Metáfora

A metáfora é uma figura de linguagem em que se usa uma palavra em substituição a outra pela semelhança de significado que elas possuem.

A comparação acontece normalmente pelo sentido figurado da expressão escolhida.

Exemplos:

  • Ela é uma mãe leoa.
  • Aquela criança é um anjo.
  • Desista disso, não dê mais murro em ponta de faca.

Leia também o significado de metáfora e veja outros exemplos de metáfora.

2. Comparação

A comparação ocorre quando um elemento é comparado a outro a partir de uma característica comum.

Exemplos:

  • João é dócil como um cão labrador.
  • Joana é forte como uma amazona.
  • A explicação deixou tudo claro como um domingo de sol.

Saiba mais sobre a comparação.

3. Metonímia

A metonímia ocorre quando há a substituição de uma palavra por outra relacionada, uma parte pelo todo.

Exemplos:

  • Eles sempre viveram sob o mesmo teto. (numa mesma casa)
  • Só entendi o que era a liberdade quando li Sartre. (a obra de Sartre, os livros escritos por Sartre)
  • Dormimos sob as estrelas. (ao ar livre)

Saiba mais sobre metonímia.

4. Catacrese

É o uso de uma palavra com o significado diferente do usual. A palavra é utilizada em substituição nas frases ou situações em que o objeto referido na frase não possui um nome específico.

Exemplos:

  • A receita leva também três dentes de alho.
  • A sopa estava tão quente! Queimei o céu da boca.
  • Cuidado! O pé da mesa está quebrado.

Conheça mais sobre a catacrese.

5. Eufemismo

No eufemismo, utiliza-se uma expressão para dar mais suavidade à informação que se deseja transmitir. A figura de linguagem é frequentemente utilizada em situações negativas, quando se deseja diminuir o impacto da informação.

Exemplos:

  • Ele foi convidado a se retirar da empresa.
  • O cachorrinho dela foi para o céu.
  • João foi punido pela mãe porque faltou com a verdade.

Veja o artigo sobre eufemismo e conheça outros exemplos de eufemismo.

6. Disfemismo

O disfemismo é a figura de linguagem oposta ao eufemismo. Nela, opta-se pelo emprego de termos mais impactantes para o reforço de uma mensagem negativa.

Exemplos:

  • Ele foi expurgado da empresa em que trabalhava.
  • Ele é um ser desprezível.
  • É um compositor medíocre um poetastro.

7. Litote

Litote se assemelha ao eufemismo no sentido de atenuar uma ideia, mas não por ser rude ou impactante, apenas para transmitir uma ideia de forma branda.

Exemplos:

  • Esse não foi o melhor livro que li.
  • Já comi sobremesas melhores.
  • Podemos dizer que o cantor não chega a ser um primor.

8. Personificação

A personificação, ou prosopopeia, é a atribuição de características ou ações humanas a coisas inanimadas.

Exemplos:

  • O mar me disse que caminho tomar.
  • "As ondas lambem minhas pernas, o sol abraça o meu corpo..." (Lulu Santos)
  • "Meu cachorro me sorriu latindo." (Roberto Carlos)

Saiba mais sobre personificação ou prosopopeia.

9. Sinestesia

Sinestesia é o nome dado à associação relacionada aos sentidos (tato, olfato, paladar, visão e audição).

Exemplos:

  • Era a primeira vez que eu sentia o sabor da solidão.
  • A dança era quente e empolgou os espectadores.
  • Sinto o cheiro da vitória!

Saiba mais sobre sinestesia.

10. Ironia

Na ironia, usam-se palavras com um sentido diferente do que se deseja expressar. Nessa figura de linguagem, as palavras utilizadas utilizadas indicam o oposto daquilo que realmente significam.

Exemplos:

  • Estudou tanto que não acertou nenhuma questão do exame.
  • Fiquei muito feliz com o seu atraso.
  • Cheguei no aeroporto e perdi meu voo. Era tudo o que eu queria!

Para entender melhor, leia sobre ironia e veja outros exemplos de uso da ironia.

11. Paradoxo (oxímoro)

Paradoxo (ou oxímoro) é uma figura de linguagem que expressa ideias que possuem uma contradição internas de difícil ou impossível solução, o que faz com que a frase não possua uma lógica aparente.

Exemplos:

  • "Um silêncio tão doente do vizinho reclamar" (Chico Buarque)
  • Eles dedicaram a vida a essa guerra santa.
  • "Eu tô te explicando pra te confundir, eu tô te confundindo pra te esclarecer." (Tom Zé)

Saiba mais sobre oxímoro.

12. Perífrase

A perífrase, ou antonomásia, é a substituição de um nome por um apelido ou uma alcunha.

Exemplos:

  • O Imperador marcou o gol da seleção na final da Copa América. (o jogador Adriano)
  • Detalhes é a minha música preferida do Rei. (Roberto Carlos)
  • Tiradentes foi condenado à morte. (Joaquim José da Silva Xavier)

Saiba mais sobre perífrase.

13. Pleonasmo

No pleonasmo existe redundância, ou seja, são usadas duas ou mais palavras que possuem o mesmo significado e transmitem uma ideia já explicitada no texto.

Essa figura de linguagem pode ser usada quando se deseja reforçar uma ideia já dita anteriormente.

Exemplos:

  • Quando encontrar a escada, é só subir pra cima.
  • Vou dividir a melancia em duas metades iguais.
  • Ela disse que a entrega foi adiada para depois.

Leia mais sobre o pleonasmo.

14. Antítese

Na antítese são usadas palavras que possuem sentidos opostos, ou seja, termos com significados contrários entre si. O uso da antítese pode ajudar a destacar uma ideia de contraste desejada pelo autor do texto.

Exemplos:

  • Tristezas e alegrias fazem parte da nossa vida.
  • Ele pensava sobre o assunto dia e noite.
  • Joana vai todos os dias à aula, faça chuva ou faça sol.

Conheça mais sobre a antítese.

15. Hipérbole

A característica da hipérbole é a expressão de um exagero. Nessa figura de linguagem, a utilização do exagero acontece de forma intencional para dar mais destaque à ideia transmitida.

Exemplos:

  • Eu passei o dia todo morrendo de sono.
  • Ela ficou horas esperando para encontrar uma vaga de estacionamento.
  • Seu choro fez um vale de lágrimas.

Veja mais sobre a hipérbole e o que é sarcasmo?

16. Gradação

Gradação é o nome dado à figura de linguagem que explora a evolução de uma ideia, atingindo um clímax ou anticlímax.

Exemplos:

  • No início do ano, eu prometi melhorar; no meio do ano, já estava satisfeito se não piorasse; agora, no final, me contento em conseguir terminar o ano mesmo.
  • O dia, que era para ser entediante, se tornou emocionante e acabou como o dia mais insano de toda a minha vida.
  • Entrei e pedi a atenção da turma, falei alto para tentar me fazer ouvir, quando percebi, estava berrando pedindo silêncio.

17. Anáfora

A anáfora é uma figura de linguagem que usa a repetição de termos. Nessa figura de linguagem, a palavra é retomada ao longo do texto para destacar a ideia da mensagem, deixando-a em evidência.

Exemplos:

  • "É ferida que dói e não se sente, é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer". (Luís de Camões)
  • Ela não foi à aula ontem, ela estava viajando.
  • "Quero inventar o meu próprio pecado. Quero morrer do meu próprio veneno. Quero perder de vez tua cabeça. Minha cabeça perder teu juízo." (Chico Buarque)

Veja também o significado de anáfora e conheça mais sobre outras figuras de linguagem.

18. Apóstrofe

Apóstrofe é a invocação de algo enfaticamente.

Exemplos:

  • Valha-me, Nossa Senhora!
  • Ó, meu Deus!
  • Ai, Jesus!

19. Elipse

Elipse é a omissão de termos de uma sentença que não foi citado anteriormente, mas que podem ser facilmente identificados pelo leitor ou interlocutor.

Exemplos:

  • "Abri a porta, apareci." (Dominguinhos) (omissão de "eu")
  • "Vieste na hora exata, com ares de festa e luas de prata." (Ivan Lins) (omissão de "tu")

Saiba mais sobre elipse.

20. Zeugma

Zeugma ocorre quando há a omissão de um termo citado anteriormente.

Exemplos:

  • Maria acordou, tomou café e foi para o trabalho. (omissão de "Maria")
  • "A onda que me carrega é a mesma que me traz." (Paulinho da Viola) (omissão de "onda").
  • "Meu coração só pede teu amor/Se não me deres, posso até morrer." (Gilberto Gil) (omissão de "teu amor")

Saiba mais sobre zeugma.

21. Silepse

Silepse ocorre quando a concordância é transmitida pelo sentido da mensagem, não pela regras sintáticas.

Exemplos:

  • Os tempos são outros, já não é a mesma Recife de antigamente. (silepse de gênero)
  • Os brasileiros somos simpáticos e solidários, gostamos de ajudar. (silepse de pessoa)
  • O grupo, ao perceber que as reivindicações não seriam atendidas, optaram por manter a greve. (silepse de número)

Saiba mais sobre silepse.

22. Onomatopeia

A onomatopeia é uma figura de linguagem sonora que consiste na imitação de um som.

Exemplos:

  • "No tic tic tac do meu coração renascerá." (Timbalada)
  • "Plunct Plact Zum! Não vai a lugar nenhum! (Raul Seixas)

Saiba mais sobre onomatopeia.

23. Aliteração

A aliteração é a utilização marcada de um som consonantal (som produzido por consoantes).

Exemplos:

  • "Paramos pensamos profundamente. Por que pobre pesa plástico, papel, papelão pelo pingado, pela passagem, pelo pão?" (GOG)
  • Morena de Angola que leva o chocalho amarrado na canela. Será que ela mexe o chocalho ou chocalho é que mexe com ela? (Chico Buarque)

Saiba mais sobre aliteração.

24. Assonância

A assonância é semelhante à aliteração, no entanto, ocorre com a utilização marcada de um som vocálico (som de vogal).

Exemplos:

  • “Minha foz do Iguaçu, polo sul, meu azul, luz do sentimento nu." (Djavan)
  • "O olho tosco, o rosto, sopro, gosto ruim. O dado, o olho tosco, o rosto, solto ruim." (Otto)

25. Paronomásia

A paronomásia consiste na utilização em uma mesma frase de palavras de sons iguais ou semelhantes.

Exemplos:

  • "Vistes as diferentes cores dos homens, as diferentes dores dos homens." (Carlos Drummond de Andrade)
  • "Quem com ferro fere com ferro será ferido." (Dito popular)
  • "Quem casa quer casa." (Dito popular)

26. Polissíndeto

Polissíndeto é a repetição de conectivos (por exemplo, "e", "ou" e "nem) em uma sentença.

Exemplos:

  • "e tudo acabou, e tudo fugiu, e tudo mofou, e agora, José?" (Carlos Drummond de Andrade)
  • Nem a Guanabara. Nem o Corcovado. Nem o Pão de Açúcar. Nada disso é trabalho nosso. (Viriato Correia)

Saiba mais sobre polissíndeto.

27. Assíndeto

Ao contrário do polissíndeto, o assíndeto é a omissão dos conectivos de uma sentença.

Exemplos:

  • Entrei, pedi, veio, comi, paguei, fui embora.
  • Entrou correndo, não falou com ninguém, pegou as coisas e saiu.

Saiba mais sobre assíndeto.

28. Anacoluto

Anacoluto representa uma mudança repentina, uma interrupção, na estrutura de uma frase.

Exemplos:

  • Tu, acho até que já podias ter ido.
  • “O relógio da parede eu estou acostumado com ele, mas você precisa mais de relógio do que eu”. (Rubem Braga).

Saiba mais sobre anacoluto.

29. Hipérbato

O hipérbato, ou inversão, é a mudança drástica da ordem direta de uma oração.

Exemplos:

  • "De dois grandes namorados, de duas grandes paixões sem freio, nada mais havia ali, vinte anos depois..." (Machado de Assis)
  • "De muito gorda a porca já não anda. De muito usada a faca já não corta." (Chico Buarque)

30. Quiasmo

Quiasmo se dá pelo cruzamento de termos e expressões, em geral, em dois versos.

Exemplos:

  • "Não como, não durmo. Não durmo, não como" (Titãs)
  • Crianças pela paz e paz pelas crianças.
Carla Muniz
Revisão por Carla Muniz
Professora, lexicógrafa, tradutora, produtora de conteúdos e revisora. Licenciada em Letras (Português, Inglês e Literaturas) pelas Faculdades Integradas Simonsen, em 2002 e formada em 1999 no Curso de Magistério (habilitação para lecionar na Educação Infantil e no Ensino Fundamental I).