6 Funções da Linguagem

Igor Alves
Igor Alves
Professor de Língua Portuguesa

Funções da linguagem são as formas como cada indivíduo organiza sua fala conforme a mensagem que deseja transmitir. Segundo o linguista russo Roman Jakobson, existem seis funções de linguagem:

  • Função referencial, informativa ou denotativa
  • Função emotiva ou expressiva
  • Função conativa ou apelativa
  • Função metalinguística
  • Função fática
  • Função poética

As funções da linguagem não existem separadamente no texto. Embora uma delas acabe predominando, elas misturam-se, e suas combinações geram os mais diversos efeitos.

Função referencial, informativa ou denotativa

Quando a intenção do emissor é apenas informar, transmitir uma mensagem, de modo claro e objetivo, a linguagem assume a função referencial, informativa ou denotativa.

Essa função tem como intenção informar o conteúdo, o assunto, as ideias, os argumentos de uma mensagem. A função referencial é predominante em textos de jornais, revistas informativas, livros técnicos e didáticos.

Exemplo:

Picolé flexível
A empresa inglesa Iceland está lançando um sorvete que não derrete. Quando ele começa a se desmanchar, transforma-se em uma espécie de goma de mascar e vira um sorvete flexível. Mas não desmancha. “Criamos um produto para os consumidores que reclamavam da sujeira que os filhos fazem quando chupam sorvete”, diz Calum Kirk, um dos diretores da empresa. A fórmula do novo produto está sendo guardada a sete chaves.
(Revista ISTOÉ)

Função emotiva ou expressiva

Há predominância da função emotiva ou expressiva quando o texto mostra o emissor voltado para si mesmo, para os próprios sentimentos, revelando seu estado emocional. Nota-se, frequentemente, a presença reiterada de verbos e pronomes em primeira pessoa e pontos de exclamação, enfatizando os aspectos emocionais do emissor.

Exemplo:

Estou tendo agora uma vertigem. Tenho um pouco de medo. A que me levará minha liberdade? O que é isto que estou te escrevendo? Isto me deixa solitária.
(Clarice Lispector)

Função conativa ou apelativa

Existe predominância da função conativa ou apelativa quando há, por parte do emissor, o desejo de atuar sobre o receptor, levando-o a uma mudança de comportamento. Isso pode acontecer através de uma ordem, um apelo, uma sugestão, uma súplica.

Exemplo:

Horóscopo do dia:
Capricórnio: cuide do seu corpo e bem-estar, capricorniano. Aproveite também o magnetismo em alta para fazer novos contatos.

Função metalinguística

A linguagem apresenta função metalinguística quando discorre sobre o próprio código. É, na verdade, a própria linguagem que está em jogo. O emissor utiliza-se dela para transmitir ao receptor suas reflexões a seu respeito. Assim, o próprio código linguístico é discutido e posto em destaque.

Exemplo 1:

Chega mais perto e contempla as palavras.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta,
pobre ou terrível que lhe deres:
Trouxeste a chave?
(Carlos Drummond de Andrade)

Exemplo 2:

dicionário
di·ci·o·ná·ri·o
substantivo masculino
1 LING: Coleção, parcial ou completa, das unidades lexicais de uma língua (palavras, locuções, afixos etc.), em geral dispostos em ordem alfabética, com ou sem significação equivalente, assim como sinônimos, antônimos, classe gramatical, etimologia etc., na mesma ou em outra língua.

Função fática

A função fática é predominante quando, num texto, se emprega a linguagem para iniciar, prolongar, verificar, testar ou interromper a própria comunicação. Tal função põe o canal de comunicação em destaque, verificando se o contato entre o emissor e o receptor continua sendo mantido.

Exemplo:

— Como vai, Maria?
— Vou bem. E você?
— Você vai bem, Maria?
— Já disse que sim!
— Eu também. Está tão bonita!
— Ah, bem, é que eu...
— Ah, é.
(Dalton Trevisan)

Função poética

Na função poética da linguagem, a mensagem é posta em destaque. O emissor tem um cuidado especial na escolha das palavras, realçando sons que sugerem significados diversos e empregando imagens sugestivas, de modo a expressar ou enfatizar a sua mensagem.

Exemplo:

Não sinto o espaço que encerro
Nem as linhas que projeto
Se me olho a um espelho, erro —
Não me acho no que projeto”
(Mário de Sá-Carneiro)

Elementos da comunicação

O linguista russo Roman Jakobson compôs um modelo geral em que a comunicação verbal opera a partir de seis fatores, esquematizados da seguinte maneira: ⁣

elementos ling

Segundo Jakobson, a linguagem deve ser estudada em toda variedade de suas funções. E para entender as funções de linguagem, é preciso assimilar os elementos que constituem o ato de comunicação verbal:

O remetente envia uma mensagem ao destinatário. Para ser eficaz, a mensagem requer um contexto a que se refere, apreensível pelo destinatário, e que seja suscetível de verbalização, um código total ou parcialmente comum ao remetente e ao destinatário (ou, em outras palavras, ao codificador e ao decodificador da mensagem); e, finalmente, um contato, um canal físico e uma conexão psicológica entre o remetente e o destinatário, que os capacite a ambos a entrarem e permanecerem em comunicação.

Bibliografia

  • FERREIRA, Mariana e PELLEGRINI, Tânia. Redação: Palavra e Arte. São Paulo, Atual, 1999.
  • JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação. São Paulo, Cultrix, 1973.

Veja também:

Igor Alves
Igor Alves
Licenciado em Letras - Habilitação em Português pela Universidade federal do Pará (UFPA)