Intertextualidade

O que é intertextualidade?

A intertextualidade é um recurso linguístico que faz o diálogo entre duas ou mais obras utilizando um texto-fonte como referência.

Um autor utiliza um recurso intertextual quando ele traz elementos de outras obras para dentro da sua, estabelecendo uma relação entre elas.

Os recursos intertextuais não acontecem apenas entre textos, é muito comum encontrá-los em músicas, anúncios publicitários, cinema, pinturas e charges.

Quando uma imagem é construída tendo outra como referência, verificamos a utilização de um recurso intertextual, por exemplo.

intertextualidade pinturaA obra Mona Lisa de Botero (à direita) foi inspirada na obra Mona Lisa de Leonardo da Vinci (à esquerda).

A intertextualidade pode estar implícita ou explícita

Este recurso linguístico pode ser classificado de duas formas de acordo com a nitidez com que se apresentam:

Intertextualidade explícita

A intertextualidade é explícita quando a referência ao texto-fonte é clara e de fácil percepção, não sendo necessários conhecimentos prévios específicos por parte do leitor.

Intertextualidade implícita

A intertextualidade implícita é menos evidente, não é tão fácil identificá-la e exige do leitor conhecimentos prévios. Caso este não conheça a obra que está sendo referenciada, a compreensão do significado pode ficar comprometida.

Especialmente no caso da intertextualidade implícita, a compreensão das obras será tanto maior quanto maior for o conhecimento de mundo e o repertório de leitura e conhecimentos do leitor.

Quais são os tipos mais comuns de intertextualidade?

Citação

A citação acontece quando as ideias de um autor são trazidas para dentro de outra obra. As citações podem ser diretas, quando são copiadas e coladas do texto original, ou indiretas, quando são reescritas com outras palavras.

As citações são muito comuns em trabalhos acadêmicos, como monografias, dissertações e teses e devem sempre indicar o nome do autor da ideia.

Quando a educação não é libertadora, o sonho do oprimido é ser o opressor. (Paulo Freire)

Paródia

A paródia é um recurso intertextual, geralmente utilizado com uma finalidade cômica. A paródia subverte um texto, uma música ou qualquer outro tipo de obra, dando-lhe um novo sentido.

Podemos citar como exemplo a música "Mulheres" de Doralyce Gonzaga e Silvia Duffrayer, que é uma releitura da música "Mulheres" de Martinho da Vila.

Mulheres - Doralyce Gonzaga e Silvia Duffrayer

Nós somos Mulheres de todas as cores
De várias idades, de muitos amores
Lembro de Dandara, mulher foda que eu sei
De Elza Soares, mulher fora da lei
Lembro de Anastácia, Valente, guerreira
De Chica da Silva, toda mulher brasileira
Crescendo oprimida pelo patriarcado, meu corpo
Minhas regras
Agora, mudou o quadro

Mulheres cabeça e muito equilibradas
Ninguém tá confusa, não te perguntei nada
São elas por elas
Escuta esse samba que eu vou te cantar

Mulheres - Martinho da Vila

Já tive mulheres de todas as cores
De várias idades, de muitos amores
Com umas até certo tempo fiquei
Pra outras apenas um pouco me dei

Já tive mulheres do tipo atrevida
Do tipo acanhada, do tipo vivida
Casada carente, solteira feliz
Já tive donzela e até meretriz

Mulheres cabeça e desequilibradas
Mulheres confusas, de guerra e de paz
Mas nenhuma delas me fez tão feliz
Como você me faz

Paráfrase

A paráfrase acontece quando um autor reescreve a ideia de outro com suas palavras, sem alterar o sentido da mensagem. A ideia é a mesma, mas a estrutura e as palavras podem ser diferentes.

A diferença de uma paráfrase para a citação indireta é que na citação deve-se fazer referência ao texto-fonte, na paráfrase não existe essa necessidade.

não discuto
com o destino
o que pintar
eu assino. (Paulo Leminski)

Podemos parafrasear esse haicai de Paulo Leminski da seguinte forma:

Paulo Leminski disse que com o destino, ele não discute. O que pintar, ele assina.

Alusão

A alusão é uma menção a elementos de outro texto. É uma intertextualidade que acontece de maneira indireta e sutil e pode não ser compreendida pelo leitor se ele não conhecer a referência, veja a seguinte frase:

Afinal, traiu ou não traiu?

Para o leitor que desconhece o livro Dom Casmurro, essa frase pode parecer sem sentido e sem contexto. No entanto, para quem conhece esta famosa obra de Machado de Assis, a alusão é evidente.

Tradução

A tradução é considerada uma intertextualidade, pois para traduzir um texto é preciso interpretá-lo e reescrevê-lo da maneira mais próxima ao que pretendia o autor. Isso significa que traduzir uma obra, não é apenas reescrevê-la em outro idioma.

If you can dream it, you can do it. (Walt Disney)

Se você pode sonhar, você pode realizar.

Crossover

O crossover é o encontro ou diálogo de personagens de universos fictícios diferentes. Um dos exemplos é o filme Os Vingadores, que reúne super-heróis de diferentes narrativas.

Os vingadores

Epígrafe

A epígrafe é um trecho de um texto colocado no início de uma obra e que serve como um elemento introdutório, pois dialoga com o conteúdo que será apresentado a seguir.

Um trabalho que trata da luta de classes, por exemplo, poderia utilizar uma citação de Karl Marx em sua epígrafe:

Não é a consciência do homem que lhe determina o ser, mas, ao contrário, o seu ser social que lhe determina a consciência.

Qual a relação entre interdiscursividade e intertextualidade?

A intertextualidade está no plano material, acontece entre duas obras que já foram feitas, isto é, já estão materializadas. A interdiscursividade, por sua vez, está no campo das ideias, no mundo dos pensamentos e da abstração.

A relação entre discursos pode ser notada quando dois textos falam coisas muito parecidas e baseadas em uma mesma visão de mundo, mesmo sem que os autores tenham conhecimento uma da outra.

Quando diferentes obras colocam mulheres em posições de inferioridade, por exemplo, ainda que não haja relação entre essas obras, percebe-se que ambas estão relacionadas com um discurso machista.

Data de atualização: 16/04/2020.