Significado de Sionismo

O que é Sionismo:

Sionismo é um movimento político nacionalista que defende a criação de um Estado judeu soberano e o retorno dos judeus para a “Terra de Israel”, localizada na Palestina.

Ao longo de milhares de anos, o povo judeu sofreu com invasões e diásporas provocadas por outros povos. O movimento sionista busca a construção de um Estado para que os judeus vivam em segurança e paz.

Apesar de ser uma ideia antiga, o movimento político sionista se fortaleceu a partir de 1896 com Theodor Herzl, que publicou um folheto defendendo a criação de um Estado judeu e em seguida organizou o primeiro Congresso Sionista Mundial.

O sionismo ganhou força a partir do século XX com a crescente perseguição dos judeus na Europa e, especialmente, após o genocídio de cerca de 6 milhões de judeus no Holocausto.

Hoje existem diversas críticas sobre o movimento sionista devido às violências praticadas por Israel contra o povo palestino, que estava na região no momento da criação do Estado judeu.

As origens históricas do movimento sionista

Segundo relatos bíblicos, haveria uma terra prometida por Deus ao povo judeu. Essa terra corresponde ao território da Palestina, onde está localizada a cidade sagrada de Jerusalém.

O termo “sionismo” tem origem na palavra Zion em hebraico, que faz referência à Jerusalém. O “retorno à Sião” é uma expressão utilizada para tratar a volta dos judeus ao seu território natal.

De acordo com a Bíblia, os judeus viveram nessa região durante séculos antes de Cristo, onde construíram uma civilização rica e próspera. Mas por volta de 70 d.C, foram invadidos pelos romanos e exilados de seu território.

Ao longo dos séculos seguintes, os judeus sofreram perseguições e expulsões e foram se espalhando por diversos continentes no mundo.

Apesar de não estarem na mesma terra, ao longo do tempo, o sentimento de identidade do povo judeu foi se fortalecendo e a ideia do retorno à sua terra e da construção de um Estado soberano se manteve.

Saiba mais sobre Zion e Jerusalém.

Theodor Herzl e o sionismo político moderno

A ideia da criação de um Estado de Israel onde o povo judeu pudesse viver em segurança já existia nos séculos anteriores, mas foi no final do século XIX que se formaram as bases para o movimento sionista político moderno.

O responsável pelo fortalecimento dessa ideia foi o jornalista húngaro Theodor Herzl. Herzl presenciou muitos casos de antissemitismo, isto é, de preconceito e hostilidade contra os judeus.

Theodor HerzlTheodor Herzl, fundador do sionismo político.

Ele defendia que o fim do antissemitismo somente aconteceria com a criação de um Estado onde os judeus pudessem ter uma vida normal, em um território próprio e soberano.

Sua ideia se difundiu a partir de uma publicação de 1896, chamada “The Jewish State” - Estado de Israel em Português. No ano seguinte, 1897, Herzl organizou o primeiro Congresso Sionista Mundial.

Esse congresso aconteceu em 1897 na Suíça e nele foram criadas as bases para o movimento sionista, que tinha como objetivo o estabelecimento de um lar seguro para os judeus. O local escolhido para a construção do Estado de Israel foi a Palestina.

Apesar de alguns grupos de judeus iniciarem a imigração para a região a partir desse momento, o estabelecimento do Estado de Israel só aconteceria 50 anos depois.

O apoio britânico para a criação do Estado de Israel

No momento em que o movimento sionista se fortaleceu, a região da Palestina era ocupada pelo Império Otomano, mas em 1918 esse Império cai e a Grã-Bretanha assume o controle da região.

Um ano antes, os britânicos haviam assinado a Declaração de Balfour, onde manifestavam apoio para a criação do Estado judeu na Palestina caso tomassem o controle da região.

Após o controle britânico em 1918, grupos de judeus foram incentivados a imigrar para a Palestina. O problema foi que a Palestina já estava ocupada, ali viviam árabes e alguns cristãos e judeus.

Esses povos viviam em paz, mas com o aumento do número de judeus, cresce o conflito entre árabes e judeus pelo território.

O antissemitismo, o Holocausto e a imigração de judeus para Palestina

Até a eclosão da Segunda Guerra Mundial, a imigração de judeus para a Palestina acontecia de maneira lenta. Mas a intensificação do sentimento antissemita na Europa e o Holocausto, intensificaram esse fluxo.

Durante o Holocausto, cerca de 6 milhões de judeus foram exterminados pelo governo nazista. Os judeus eram acusados de serem responsáveis pelas mazelas que a Alemanha enfrentava.

Além do aumento da imigração dos judeus para a Palestina, cresce o apoio da comunidade internacional para a criação do Estado de Israel.

Entenda o que foi o Holocausto e veja o significado de antissemitismo.

1948: declaração de independência do Estado de Israel

Os conflitos entre palestinos e judeus pelo território se intensifica à medida que a população judaica aumenta na região e em 1947, a ONU propõe um plano de partilha para o território.

Israel aceita a partilha, mas a Palestina recusa por considerá-la injusta. Em 1948 Israel declarou a sua independência e a partir de então os conflitos entre árabes e judeus se intensificaram.

Além das áreas determinadas pela ONU, Israel foi ocupando terras palestinas e desabrigando a população local. Muitos assentamentos ilegais em terras palestinas já foram denunciados pela comunidade internacional.

O sionismo, para os palestinos, é um movimento colonialista e racista e que submete a população palestina à violência e os impede de permanecer no território.

Nem todos judeus são sionistas

Judaísmo e sionismo não podem ser entendidos como sinônimos. Os judeus são aqueles que seguem a religião judaica, já os sionistas, são aqueles que defendem a manutenção do Estado de Israel.

Para alguns judeus, a existência de um Estado não é essencial para a manutenção das tradições e religiosidades do judaísmo. Muitos deles não defendem as violências cometidas pelo Estado de Israel contra os palestinos.

SionismoJudeus em manifestação contra o sionismo.

Diferentes correntes sionistas

Além do sionismo político, fundado por Theodor Herzl, que defende a criação e a manutenção de um Estado judeu na palestina, ainda é possível encontrar as seguintes denominações:

  • Sionismo socialista: o sionismo socialista defendia que a criação de um Estado judeu não aconteceria com a ajuda da comunidade internacional, mas a partir dos esforços e união da classe trabalhadora.
  • Sionismo religioso: sionismo religioso é a corrente mais genérica e que abarca as demais vertentes sionistas. Os sionistas religiosos defendem que a terra de Israel deve ser ocupada pelo o povo de Israel.

Saiba mais sobre o judaísmo.

Data de atualização: 26/03/2020.