Significado de Educação inclusiva

O que é Educação inclusiva:

Educação inclusiva é uma modalidade de educação que inclui alunos com qualquer tipo de deficiência ou transtorno, ou com altas habilidades em escolas de ensino regular.

A diversidade proposta pela escola inclusiva é proveitosa para todos. De um lado estão os alunos com deficiência, que usufruem de uma escola preparada para ajudá-los com o aprendizado e do outro, os demais alunos que aprendem a conviver com as diferenças de forma natural, a desenvolver o sentido de entreajuda, o respeito e a paciência.

O público-alvo do Plano Nacional de Educação (PNE) no que diz respeito à educação inclusiva, são alunos com deficiência (intelectual, física, auditiva, visual e múltipla), com transtorno do espectro autista e com altas habilidades (superdotados).

A inclusão ajuda a combater o preconceito buscando o reconhecimento e a valorização das diferenças através da ênfase nas competências, capacidades e potencialidades de cada um.

Esse conceito tem como função a elaboração de métodos e recursos pedagógicos que sejam acessíveis a todos os alunos, quebrando assim as barreiras que poderiam vir a impedir a participação de um ou outro estudante por conta de sua respectiva individualidade.

Um dos objetivos da inclusão escolar é o de sensibilizar e envolver a sociedade, principalmente a comunidade escolar.

Veja mais sobre inclusão escolar.

Educação inclusiva no Brasil

A educação inclusiva foi implementada pelo MEC (Ministério da Educação e Cultura) no sistema de ensino brasileiro em 2003. Antes disso, o sistema educativo brasileiro ainda era segmentado em duas vertentes:

  • Escola especial: para alunos com qualquer tipo de deficiência ou transtorno, ou com altas habilidades.
  • Escola regular: para alunos que não tinham nenhum tipo de deficiência ou transtorno, e nem altas habilidades.

O Plano Nacional de Educação (PNE) atual integra os alunos que antes iriam para a escola especial na escola regular.

Atendimento Educacional Especializado

De acordo com o MEC, a educação inclusiva abrange todos os níveis de escolaridade (Educação infantil – Ensino superior) e dispõe de Atendimento Educacional Especializado (AEE) para orientar professores e alunos quanto à utilização da metodologia.

É importante ressaltar que a escola especial não foi extinta. É nela que os alunos dispõem do AEE como complemento e apoio ao ensino regular, sempre que necessário, mas não como substituição da escola regular.

Desta forma, a educação especial deixou de ser uma modalidade substitutiva e passou a ser uma modalidade complementar, mas não deixou de existir.

Se além do que é oferecido pela escola inclusiva por padrão um aluno tiver necessidade de uma abordagem diferenciada para que seu aprendizado seja facilitado, podem ser requeridos recursos de NEE (necessidades educacionais especiais).

Esses recursos consistem em um acompanhamento direcionado, fora do horário normal que o aluno frequenta na escola inclusiva. Veja abaixo alguns dos recursos dos quais os alunos podem dispor, de acordo com as suas respectivas deficiências:

  • Deficiência visual e auditiva: linguagens e códigos específicos de comunicação e sinalização (ex: Braille, LIBRAS).
  • Deficiência intelectual: mediação para desenvolver estratégias de pensamento (ex.: comunicação alternativa).
  • Deficiência física: adequação do material escolar e do ambiente físico (ex.: cadeiras, tecnologia assistiva).
  • Transtorno do espectro autista (autismo): abordagens diferentes para adequação e orientação do comportamento (ex.: comunicação alternativa).
  • Altas habilidades: aumento dos recursos educacionais e/ou aceleração de conteúdos.

O público-alvo da educação inclusiva é composto por alunos com deficiência (intelectual, física, auditiva, visual e múltipla), transtorno do espectro autista (autismo) e altas habilidades.

Saiba mais sobre LIBRAS e autismo.

Principais desafios

A idealização do ensino inclusivo e seus objetivos são conceitos extremamente válidos, porém a realidade com a qual os alunos, professores e demais pessoas envolvidas no projeto enfrentam no dia a dia são bem diferentes. Veja abaixo alguns dos principais desafios da educação inclusiva:

  • A estrutura física dos estabelecimentos nem sempre é adequada.
  • Falta de introdução de recursos e de tecnologia assistiva.
  • Número excessivo de alunos por turma.
  • Preconceito em relação à deficiência.
  • Falta de formação para as equipes das escolas.
  • Falta de professores especializados ou capacitados.

Diferença entre professor especializado e professor capacitado

O professor especializado é aquele que possui licenciatura em Educação especial ou em uma de suas áreas, já o professor capacitado é o professor que teve incluídos no seu curso de ensino médio ou superior conteúdos e/ou disciplinas sobe Educação especial.

Tecnologia Assistiva

Todo e qualquer recurso utilizado para facilitar e/ou melhorar as condições de aprendizagem de um aluno com deficiência pode ser designado de tecnologia assistiva. Veja abaixo alguns exemplos:

  • Audiolivros: livros gravados em áudio.
  • Book reader: é um tipo de scanner que lê os livros digitalizados ao mesmo tempo que envia o texto ampliado para a tela de um monitor.
  • Braille lite: utilizado para fazer anotações e redigir textos e permite conexão com um computador.

braille-lite-portátil

Braille lite

  • Capacete com ponteira: haste para ajudar a digitação de pessoas com comprometimento nos membros superiores.

capacete digitação tecnologia assistiva

Capacete com ponteira

  • Lupa eletrônica: equipamento usado por deficientes visuais para aumentar as letras de um conteúdo e exibi-lo em uma tela de monitor ou televisão. Também está disponível em versão portátil.
  • Programa DOSVOX: comunica-se com o usuário através de um sintetizador de voz.
  • Programa MecDeisy: desenvolvido através de uma parceria do MEC com a UFRJ, possibilita a geração de livros digitais falados.

Data de atualização: 05/04/2018. O significado de Educação inclusiva está na categoria: Geral