Significado da Teoria Malthusiana

O que é a Teoria Malthusiana:

A Teoria Malthusiana, também conhecida como Malthusianismo, é uma teoria demográfica desenvolvida pelo inglês Thomas Robert Malthus.

De acordo com o pensamento Malthusiano, a população cresceria muito rapidamente e em progressão geométrica (1, 2, 4, 8, 16...), enquanto a produção de alimentos, por sua vez, teria um crescimento lento e em progressão aritmética (1, 2, 3, 4, 5...).

Essa linha de raciocínio é conhecida como lei de Malthus.

Thomas malthus

Thomas Robert Malthus

De acordo com os estudos de Malthus, após um período de 200 anos a população seria 28 vezes maior do que o crescimento da produção de alimentos, o que seria uma grande catástrofe para o mundo.

O objetivo da teoria era chamar a atenção para o problema da falta de alimentos gerado pelo grande aumento demográfico no mundo.

Solução para a falta de alimentos

Em sua obra, Malthus chegou a propor o que ele chamou de sujeição moral.

Segundo ele, a população tinha de evitar um crescimento descontrolado através do casamento tardio, da diminuição do número de filhos planejados e da privação voluntária de seus respectivos desejos sexuais, para assim reduzir o índice de natalidade.

Malthus considerava que, desse modo, o aumento da população ficaria equilibrado relativamente à possibilidade de crescimento da produção de alimentos.

Para ele, o crescimento da produção de alimentos era muito mais lento do que o crescimento da população. Enquanto a produção seguia uma progressão aritmética (1, 2, 3, 4, 5...), a população aumentava em progressão geométrica (1, 2, 4, 8, 16...).

Por ser religioso (além de estatístico, demógrafo e economista, Thomas Malthus era pastor da Igreja Anglicana), ele era contra a utilização de métodos contraceptivos.

Saiba mais sobre progressão aritmética.

Outras teorias demográficas

A teoria demográfica Malthusiana (ou Teoria Populacional Malthusiana) foi publicada no livro Ensaio sobre o princípio da população, principal obra do economista, em 1798.

Naquela época, a teoria de Malthus não poderia prever os avanços da ciência e da tecnologia que o futuro guardava.

A utilização de máquinas como substitutas do trabalho humano no campo, por exemplo, proporcionou um aumento gigantesco da capacidade de produção alimentícia.

Com isso, ficou claro que a causa da situação de miséria na qual alguns países e regiões do mundo viviam não estava relacionada com a produção de alimentos propriamente dita, ou seja, não se tratava de uma incapacidade de produção, mas sim de uma má distribuição desses alimentos produzidos.

Essas constatações acabaram por confrontar a teoria populacional Malthusiana e com isso, outras teorias demográficas foram formuladas, como, por exemplo, a teoria neomalthusiana e a teoria reformista.

Teoria neomalthusiana

Essa teoria começou a surgir no início do século XX e era baseada da Teoria Malthusiana.

Os neomalthusianos defendiam que se a aceleração do crescimento da população não fosse reduzida, em alguns anos os recursos naturais da Terra esgotariam.

De forma a evitar que isso viesse a ocorrer, os teóricos da teoria neomalthusiana recorreram a propostas que visavam o controle da natalidade.

Essas propostas se tornaram populares e foram denominadas de Planejamento Familiar.

O Planejamento Familiar foi aplicado principalmente em países subdesenvolvidos e de acordo com a população local.

Confira abaixo algumas das principais medidas aplicadas:

  • Esterilização em massa.
  • Distribuição gratuita de anticoncepcionais.
  • Assistência médica para uso de DIU (Dispositivo Intra-Uterino).
  • Promoção de um modelo de família ideal, composta por apenas dois filhos.

Veja também o significado de taxa de natalidade e esterilização.

Teoria reformista

Diferentemente da teoria Neomalthusiana, que tem como base o pensamento Malthusiano, a teoria reformista, por sua vez, é totalmente contrária a esse conceito.

De acordo com os reformistas, a Revolução Industrial e a consequente revolução tecnológica vieram a resolver o problema de produção de alimentos, discordando da ideia dos Malthusianos de que essa produção crescia em números significativamente menores do que o crescimento populacional.

Outra característica da teoria reformista que se opõe à teoria de Malthus está relacionada com a causa da pobreza.

Para os Malthusianos, a pobreza era causada pelo excesso populacional. Os reformistas, por sua vez, acreditavam justamente no contrário. Para eles, a pobreza é que acarretava o excesso de população.

A teoria reformista defendia que se não houvesse a pobreza, haveria melhores acessos à educação, à higiene e à saúde, o que acabaria por regular o crescimento da população.

Os reformistas julgavam que a origem da pobreza se devia à má distribuição social da renda que seria ocasionada principalmente pela exploração sob a qual os países desenvolvidos submetiam os países subdesenvolvidos.

Os teóricos reformistas consideravam que deveria haver uma reforma social por parte do governo no que diz respeito à essa distribuição.

Saiba mais sobre a Revolução industrial.

Data de atualização: 11/09/2018. O significado da Teoria Malthusiana está na categoria: Geral