Placas tectônicas

O que são placas tectônicas?

As placas tectônicas são formações rochosas que cobrem a superfície do planeta Terra. A crosta terrestre é composta por 14 placas principais e 38 placas menores.

Essas placas estão em constante e lento movimento e essa movimentação é responsável pelos terremotos, tsunamis, formação de montanhas e atividades vulcânicas.

A camada da Terra onde estão as placas tectônicas é a litosfera. Algumas das principais placas que compõem a litosfera são: Placa Sul-Americana, Placa do Pacífico e Placa de Nazca.

Existem três tipos de placas:

  • Oceânica: localizada sob os oceanos
  • Continental: localizada sob os continentes
  • Mista: localizada em parte sob os oceanos e em parte sob o continente

Teoria das placas tectônicas

Também conhecida por Tectônica de Placas, esta teoria diz que a litosfera é composta por diversos “pedaços quebrados” e que estão em constante deslocamento sobre o manto do planeta.

Desenvolvida no final da década de 1960 pela dupla de cientistas Robert Palmer e Donald Mackenzie, essa teoria substituiu a Teoria da Deriva Continental, que havia sido formulada por Alfred Wegener, em 1913.

Naquele ano, Wegener propôs que há cerca de 250 milhões de anos atrás todos os continentes estariam unidos em um supercontinente, chamado pangeia, que em grego significa “todas as terras”.

PangeiaSeparação do supercontinente pangeia ao longo de milhões de anos.

Para defender essa teoria, Wegener usou argumentos morfológicos, paleontológicos e litológicos:

  • Morfológicos: semelhanças no formado dos continentes, o que sugere que no passado eles estavam encaixados.
  • Paleontológicos: foram encontrados fósseis de animais semelhantes em diferentes continentes. Para o pesquisador, esses animais não poderiam ter atravessado os oceanos.
  • Litológicos: haviam semelhanças entre as rochas de diferentes continentes, o que sugeria uma mesma origem.

Wegener, no entanto, não conseguiu explicar os motivos pelos quais os continentes haviam se movido. Foi só nos anos 1960 que os cientistas descobriram que não eram os continentes que se moviam, mas as crostas terrestres sobre as quais estão os continentes e oceanos.

Saiba mais sobre litosfera e paleontologia.

Como ocorre o movimento das placas tectônicas?

A Terra é formada basicamente pelo núcleo, manto e litosfera. O manto do planeta é composto por magma em elevadas temperaturas.

O calor proveniente do núcleo passa pelo manto por correntes de convecção até chegar à superfície. É esse calor que faz com que as placas tectônicas se movimentem.

Os movimentos das placas são responsáveis por sismos, pela formação das montanhas, pelos terremotos e pela atividade vulcânica. A ocorrência de cada um desses fenômenos depende do tipo de limite entre as placas tectônicas.

Saiba mais sobre terremoto, montanhas, vulcanismo e tsunami.

Limites das placas tectônicas

Os limites são as zonas de encontro das placas, é nessas regiões que os movimentos são sentidos com maior intensidade. Entenda os tipos de movimento e suas consequências:

Limite convergente ou destrutivo

Esse movimento acontece quando uma placa é empurrada contra a outra. Nesse choque entre placas pode haver submersão de uma delas ou então o dobramento de ambas.

A submersão de uma placa depende da sua densidade. Se a densidade de ambas for a mesma, nenhuma afundará, mas se a densidade for diferente, a placa com maior densidade irá submergir e retornar ao manto da Terra.

Limite convergenteRepresentação gráfica do limite convergente entre placas tectônicas.

Veja o que acontece quando há limite convergente entre placas:

  • Oceânica e continental: a placa oceânica afunda e a placa continental forma dobras.
  • Continental e continental: nenhuma das duas placas afunda, ambas sofrem dobramentos.
  • Oceânica e oceânica: a placa mais densa afunda.

A Cordilheira dos Andes é o resultado do movimento convergente de duas placas: Placa de Nazca e a Placa Sul-Americana.

Limite divergente ou construtivo

No caso dos limites divergentes, as placas se afastam umas das outras, formando rachaduras. Quando essas fendas se formam, o magma do manto sobe e resfria-se, transformando-se em crosta terrestre.

Isso resulta no aumento da dimensão da placa tectônica nas laterais, por isso esse movimento é chamado de construtivo.

Limite divergenteRepresentação gráfica do limite divergente entre placas tectônicas.

Limite transformante ou conservativo

Quando o limite é transformante ocorre o deslizamento lateral e horizontal das placas, isto é, as placas “se raspam”. Nesse movimento, as placas não são nem criadas, nem destruídas, são apenas formadas rachaduras.

Esse é o movimento que originou a falha de San Andreas na Califórnia, Estados Unidos. Nessa região, a Placa do Pacífico e a Placa Norte-Americana apresentam limite transformante.

Limite transformanteRepresentação gráfica do limite transformante entre placas tectônicas.

Principais placas tectônicas

  • Placa Sul-Americana
  • Placa Norte-Americana
  • Placa de Nazca
  • Placa Australiana
  • Placa do Pacífico
  • Placa Africana
  • Placa Indiana
  • Placa Scotia
  • Placa Arábica
  • Placa das Filipinas
  • Placa de Cocos
  • Placa das Caraíbas
  • Placa da Antártida
  • Placa Juan de Fuca

Mapa das placas tectônicas

A litosfera é composta por 52 placas tectônicas, sendo 14 placas principais e 38 placas menores. Veja o mapa com algumas das principais placas:

Placas tectônicas mapa
Principais placas tectônicas.

Placa tectônica do Brasil

O Brasil está localizado no centro da Placa Sul-Americana, que mede cerca de 43 milhões de km2. Como o território brasileiro está no centro dessa placa, não há limites entre placas nessa região.

É por essa razão que não existe muita incidência de abalos sísmicos no Brasil e, quando acontecem, não são de grande magnitude.

Veja também os significados de sismologia

Data de atualização: 13/01/2020.