Significado das Fases da Lua

Rosimar Gouveia
Revisão por Rosimar GouveiaProfessora de Matemática e Física

O que são Fases da Lua:

As fases da Lua são resultado dos movimentos da Lua e da Terra em torno do Sol. Conforme a posição desses astros, vemos diferentes porções da Lua iluminada.

Esses movimentos acontecem em ciclos que são representados pelas fases da Lua. O que determina cada uma dessas fases é o tamanho da área da Lua que é iluminada pelo Sol.

As fases da Lua são: nova, crescente, cheia e minguante. O ciclo lunar dura entre 29 e 30 dias e é a base para o nosso calendário - formado por 12 meses com média de 30 dias cada.

A Lua é o único satélite natural da Terra e está localizada a 368.730.60 km do nosso planeta. Seu diâmetro é correspondente a 27% do diâmetro da Terra.

As fases da Lua

A Lua é um satélite e não possui luz própria, isso significa que nós só podemos enxergá-la da Terra graças à luz do Sol.

Mas como a Terra e a Lua estão em constante movimentação ao redor do Sol, de tempos em tempos, vemos diferentes proporções da sua superfície iluminada.

Fases da luaLua minguante, cheia, crescente e nova, respectivamente. Vista do hemisfério sul.

As proporções da Lua iluminadas pelo Sol são representadas pelas fases lunares: nova, crescente, cheia e minguante. Cada uma dessas fases dura entre 7 a 8 dias e o ciclo total dura entre 29 e 30 dias.

Para compreender quando ocorre cada uma dessas fases, é preciso saber como acontece o movimento da Lua em torno do Sol.

A Lua faz três tipos de movimentos:

  • Rotação: gira em torno do seu próprio eixo.
  • Revolução: gira ao redor do planeta Terra.
  • Translação: gira em torno do Sol junto com a Terra.

Fases da luaRepresentação gráfica das fases da Lua.

Conforme as posições da Lua e da Terra na Órbita solar, temos diferentes fases, cada uma com suas características:

Lua Nova

Nessa fase, a Lua está posicionada entre o Sol e a Terra. Como está na mesma direção do Sol, a face da Lua voltada para a Terra não está iluminada e por isso, no ápice, é impossível vê-la. Com o passar dos dias, a Lua vai se tornando mais visível, até entrar na fase seguinte.

Quarto crescente (Lua crescente)

É a fase em que a Lua forma um ângulo de 90° com a Terra e podemos enxergar ¼ de sua superfície. O formato da Lua é em semicírculo e o lado da Lua que aparece nessa fase depende de qual hemisfério o observador a enxerga. No caso do hemisfério sul, a parte convexa da Lua está apontada para o oeste.

Lua Cheia

A Lua cheia acontece quando a Terra está entre a Lua e o Sol. Como nesse período os raios de Sol chegam à totalidade da face que podemos enxergar, a Lua está totalmente iluminada para o observador.

Quarto minguante (Lua minguante)

Nessa fase a Lua volta ao formato de semicírculo, porém do lado oposto à Lua crescente. Também chamada de quarto minguante, nesse estágio, é possível ver ¼ do satélite, pois está novamente posicionado a 90° da Terra. A Lua vai minguando até tornar-se nova e iniciar um novo ciclo.

Veja também o significado de sistema solar e satélite.

Eclipses

Os eclipses acontecem quando os três corpos celestes Sol, Lua e Terra estão alinhados. Esse alinhamento pode ocasionar o ocultamento da Lua pela sombra da Terra, o que chamamos de eclipse lunar, ou pode ocultar o Sol com a sombra da Lua, nesse caso, o eclipse solar.

EclipseRepresentação gráfica dos eclipses lunar e solar.

Em todos os ciclos da Lua, os três corpos celestes se alinham, porém os eclipses não acontecem todos os meses porque a órbita da Lua está inclinada a 5° em relação ao plano de rotação da Terra.

O alinhamento de Sol, Lua e Terra suficiente para ocasionar um eclipse (solar ou lunar) acontece em média duas ou três vezes ao ano.

Eclipse solar: total ou parcial

  • O eclipse total acontece quando a Lua cobre o sol completamente, ele pode ser visto apenas de uma pequena parte do Globo, é o ponto central e mais escuro da sombra na imagem acima. Nesse local, durante o eclipse, o céu escurece como se fosse noite.
  • O eclipse parcial acontece quando a Lua cobre apenas parte do Sol. Ele pode ser visto a partir de uma área maior do Globo, representada pela sombra mais clara na imagem.

Entenda mais sobre eclipses e eclipse solar.

Calendário lunar

Calendários lunares são registros de marcação do tempo baseados nas fases lunares e datam de mais de 20 mil anos. Babilônicos e egípcios são exemplos de povos que construíram seus calendários de acordo com as fases da Lua.

Atualmente os islâmicos utilizam um calendário lunar. O calendário islâmico, segue exatamente o ciclo lunar. Apesar de também conter 12 meses, ele é 11 dias menor que o calendário gregoriano que utilizamos.

Fases da Lua e as influências nas marés

O movimento de subida e descida das águas dos oceanos é conhecido como maré, este movimento é influenciado pelas fases lunares. Além da Lua, o Sol e o próprio movimento de rotação da Terra também influenciam na elevação e redução das marés.

Essa influência acontece porque a Terra e a Lua se atraem pela força da gravidade, esse efeito da Lua provoca uma deformidade no formato da Terra, que produz um bojo nas extremidades alinhadas à Lua. Esse bojo são as águas do oceano atraídas pela Lua e que causarão as marés.

O sol também exerce uma força gravitacional sobre a Terra, porém menor que a Lua. Assim, quando o Sol, a Lua e Terra se alinham, o efeito se multiplica e ocorre a maré alta. Portanto, as marés altas correspondem às fases de Lua nova e cheia - quando ocorre o alinhamento dos astros.

Quando a Lua e o Sol formam um ângulo reto entre eles, a atração dos corpos se neutraliza e acontece a maré baixa. Esse posicionamento dos astros corresponde às Luas crescente e minguante.

A hora e local onde as marés baixas e altas acontecem dependem do movimento de rotação da Terra, ou seja, da movimentação ao redor do seu próprio eixo.

Veja também o significado de Superlua, gravidade e Lua Azul.

Data de atualização: 23/05/2019.

Rosimar Gouveia
Revisão por Rosimar Gouveia
Bacharel em Meteorologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 1992, Licenciada em Matemática pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2006 e Pós-Graduada em Ensino de Física pela Universidade Cruzeiro do Sul em 2011.